Uso de psicofármacos em crianças e adolescentes

  • Gabriel Ferreira de Souza
  • Clezio Rodrigues de Carvalho Abreu
  • Walquiria Lene dos Santos

Resumo

Em virtude do aumento de utilização de psicofarmacos em crianças e adolecentes, este trabalho objetivou  descrever  por meio da pesquisa integrativa  o uso dos psicofármacos em crianças e adolescentes e sua influência. Para tal estudo, utilizou-se de um levantamento bibliográfico em artigos publicados na Internet e bulario disponivel no portal da ANVISA- Agência Nacional de Vigilância Sanitária. A partir da busca, foi encontrado um total de 1.239 artigos. Após a aplicação dos critérios de inclusão e exclusão e leitura na íntegra, restaram um total de 14 artigos para utilizar na amostra final.  Verificou-se que os anos de 2014 e 2017, foram os anos de maior publicação sobre o tema. Concluiu se que os profissionais da área de saúde devem entender o funcionamento de cada medicamento, suas indicações, contra-indicações, interações medicamentosas e efeitos adversos; A escolha e o início do medicamento precisam estar baseados na origem dos sintomas, levando em consideração que são organimos distintos e frageis que necessitam de uma atenção em especial.

Descritores: Psicofármacos; Crianças; Adolescentes.

Referências

Ferreira, ACZ, Brusamarello T, Capistrano FC, Marin, MJS, Maftum MA. A vivência do portador de transtorno mental no uso de psicofármacos na perspectiva do pensamentos complexo. Texto Contexto Enferm. 2017; 26(3):01-10.

Thomas T, Stansifer L, Findling RL. Psicofarmacologia dos Transtornos Bipolares Pediátricos em Crianças e Adolescentes. Pediatric Clin N. 2011; 58(1):173-187.

Moreira MT, Sakae TM, Blatt CR, Remor KVT. Transtornos de déficit de atenção/hiperatividade: prevalência e uso de psicofármacos em crianças de um ambulatório no sul de Santa Catarina. Arq. Catarin Med. 2017; 46(3):106-117.

Nascimento YCML, Rosa LS, Souza JC, Veras YARV, Brêda MZ, Trindade RFC. Perfil de crianças e adolescentes acompanhados por um centro de atenção psicossocial infanto-juvenil. Ver enferm, UFPE on line. 2014; 8(5):1261-72.

Hamrin V, Pachler M. Transtorno Bipolar: Tratamentos psicofarmacológicos baseado em evidências. Jornal da Criança e do Adolescente Enfermagem Psiquiatrica. 2007; 20(1):40-58.

Nascimento MO, Micheli D. Avaliação de diferentes modalidades de ações preventivas na redução do consumo de substâncias psicotrópicas na redução do consumo de substâncias psicotrópicas em estudantes no ambiente escolar: um estudo randomizado. Ciências & Saúde Coletiva, 2014; 20(8):2499-2510.

Biederman J, Yule A, Noyes E, Biederman J, Fiztgerald M, Woodworth Y, Faraone SV, Wilens T. O curso dos sintomas maníacos no transtorno bipolar pediátrico afeta o curso do transtorno de conduta?. Jornal of Affective Disorders. 2018; S0165-0327(18):30031-4.

Naveed S, Waqas A, Majeed S, Zeshan M, Jahan N, Sheikh MH. Psiquiatria Infantil: Uma análise cienciométrica 1980-2016. F1000Research. 2017; 6(1.293):1-20.

Costa NRC, Silva PRF. A atenção em saúde mental aos adolescentes em conflito com a lei no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. 2017; 22(5):1467-1478.

Scivoletto S, Boarati MA, Turkiewicz G. Emergências psiquiatricas na infância e adolescência. Rev Brasileira de Psiquiatria. 2010; 32(suppl2):S112-S120

Rocha GP, Batista BH, Nunes ML. Orientações ao pediatra sobre o manejo das drogas psicoativas e antiepilépticas. Jornal de Pediatria. 2004; 80(2):45-55.

Sanches VNL, Amarante PDC. Estudo sobre o processo de medicalização de crianças no campo da saúde mental. Saúde Debate. 2014; 38(102):506-514.

Brzozowski FS, Caponi S. Medicamentos estimulantes: uso e explicações em casos de crianças desatentas e hiperativas. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental. 2015; 7(15):01-23.

Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein. 2010;8:102-6.

Publicado
2018-08-26
Como Citar
1.
Souza GF de, Abreu CR de C, Santos WL dos. Uso de psicofármacos em crianças e adolescentes. Rev Inic Cient Ext [Internet]. 26º de agosto de 2018 [citado 15º de dezembro de 2019];1(Esp 2):220-5. Disponível em: https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/83

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

1 2 > >>