Prevenção, assistência e apoio familiar na reabilitação dos pacientes portadores de acidente vascular cerebral

  • Francilene Gonzaga
  • Walquiria Lene dos Santos

Resumo

O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é definido como a interrupção do fluxo sanguíneo, em determinada região do cérebro, resultando uma súbita lesão da mesma, ocasionando determinados sintomas que caracterizam o AVC. O objetivo desse artigo é avaliar o papel da equipe, do município e da família na reabilitação do paciente com Acidente Vascular Cerebral. Estudo de campo. Os cenários do estudo foram CAIS, Upa e UBS do Município de Valparaíso. Os dados analisados se referem a 17 enfermeiros e 31 familiares de pacientes com AVC.Pelos resultados encontrados observa-se que a maioria dos familiares não recebem capacitação para cuidar dos familiares, o fator de risco mais importante para o AVC, foi a hipertensão, a prevenção é feita com controle da pressão arterial, a assistência é feita por meio de visita domiciliar. Com relação à pesquisa com os enfermeiros, uma parcela considerável relatou que não receberam cursos de capacitação para cuidar do paciente com AVC, e que o município não fornece esses cursos. E definiram o atendimento de enfermagem para o paciente com AVC como fundamental. Os profissionais de saúde também relataram que são necessários mais cursos de capacitação para melhor assistência do paciente com AVC. As principais dificuldades enfrentadas pela família em casa, ao cuidar do paciente foi a falta de colaboração dos demais membros da família. Conclui-se que os familiares necessitam de mais apoio por parte da enfermagem e dos demais familiares, e o município precisa investir em mais capacitação para esses profissionais que atuam como orientadores e essenciais no cuidado.

Descritores: Prevenção; AVC; Apoio familiar.

Referências

Ferraz AC, Pedro MA. “Acidente vascular cerebral isquêmico”. In: Knobel, Terapia Intensiva – neurologia. São Paulo: Atheneu. 2003.

Radanovic, M. “Características do atendimento de pacientes com acidente vascular cerebral em hospital secundário”. Arq Neuro Psiquiatra, v.58, n.1, 2000.

Smeltzer SC, Bare BG. Brunner e Suddarth: tratado de enfermagem médico-cirúrgica. 10a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2005. Tratamento de pacientes com distúrbios vasculares cerebrais. p. 1996-2020.

Costa LB, Bellotti L, Portella MR. Dificuldades no cuidado domiciliar em sequela de acidente vascular. In: André C. Manual de AVC. 2ª ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2006 pág 59-73.

Ministério da Saúde. Controle das doenças crônicos-degenerativas na rede de serviços de saúde. Brasília: Divisão Nacional de Doenças Crônico-degenerativas. 2000.

André C. Manual de AVC. 2. ed. Rio de Janeiro: Revinter Ltda, 2006

Smeltzer SC, Bare BG. Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica. 11. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.

Perlini NMOG, Mancussi AC. Cuidar de pessoa incapacitada por acidente vascular cerebral no domicílio: o fazer do cuidador familiar. Rev Esc Enferm USP, v. 39, n.2, p. 154-63, 2005.

Vieira CPB, Nascimento JJ, Barros SS, Luz MHBA, Valle ARMC. Prevalência referida, fatores de risco e controle da hipertensão arterial em idosos. Cienc Cuid Saude, 2016 Jul/Set; 15(3):413-420

Fayad P. Identifying and managing stroke risk factors. 53th Annual Meeting of the American Academy of Neurology. Syllabi on CD-ROM, 2001.

SBD - Sociedade Brasileira de Diabetes. Diagnóstico e classificação do diabetes mellitus e tratamento do diabetes mellitus tipo 2: recomendações da Sociedade Brasileira de Diabetes, Versão final. Disponível em http.//www.diabetes.org.br. Acessado em 27 de novembro de 2016.

Aboderin I, Venables G. Sociedade Brasileira de Doenças Cerebrovasculares. Primeiro consenso brasileiro do tratamento da fase aguda do acidente vascular cerebral. Arq Neuropsiquiatr 2001;59:972-980.9.

Radanovic M. Características do atendimento de pacientes com acidente vascular cerebral em hospital secundário. Arq Neuropsiquiatr 1999;58:99-106

Machado LR. Acidentes Vasculares Cerebrais. Centro de Investigações em Neurologia. São Paulo. Pág 38-41.

SBD - Sociedade Brasileira de Diabetes. Diagnóstico e classificação do diabetes mellitus e tratamento do diabetes mellitus tipo 2: recomendações da Sociedade Brasileira de Diabetes, Versão final. Disponível em http.//www.diabetes.org.br. Acesso em 27 de novembro de 2016.

Carvalho EF, Lessa F, Gonçalves FR, Silva JAM, Lima MEFL, Melo Júnior SW. O processo de tran- sição epidemiológica e iniqüidade social: o caso de Pernambuco. Rev Assoc Saúde Pública Piauí. 1998; 1(2):107-19.

Braga JL, Alvarenga RMP, Neto JBMM. Acidente vascular cerebral. Rev Bras de Medicina. Pag 88-96.

JACOB, S. G. Avaliação dos cuidados de Fisioterapia domiciliária em idosos vítimas de acidente vascular cerebral. Rev. Bras. Fisioter., v. 12, n. 6, p.1147-1153, 2012.

ALBANO, L. et al. Intervenção da fisioterapia em indivíduos após AVC em condição crônica. In: Congresso Português do AVC. Anais do Congresso Português do AVC Sociedade Portuguesa de Neurologia. Sociedade Portuguesa de Neurologia, Lisboa, 2013.

Chagas NR, Monteiro ARM. Educação em saúde e família: o cuidado ao paciente, vítima de acidente vascular cerebral. Acta Scientiarum. Health Sciences Maringá, v. 26, no. 1, p. 193-204, 2004.

Perlini NMOG, Faro ACM. Cuidar de pessoa incapacitada por acidente vascular cerebral no domicílio: o fazer do cuidador familiar. Rev Esc Enferm USP 2005; 39(2):154-63.

Silveira TM, Caldas CP, Carneiro CF. Cuidando de idosos altamente dependentes na comunidade: um estudo sobre os cuidadores principais. Cad saúde pública. 2006; 22(8): 1629-38.

Sebastião RF. Cuidados de Enfermagem de Reabilitação a doentes com Acidente Vascular Cerebral (AVC): Eficácia de um Programa. [Dissertação]. Porto, 2016.

Santos AG, Costa Neto AM. Atendimento da equipe de saúde a pacientes vítimas de acidente vascular cerebral.Rev. Cuidados em Saúde, pág 1-13, 2012.

Publicado
2018-07-03
Como Citar
1.
Gonzaga F, Santos WL dos. Prevenção, assistência e apoio familiar na reabilitação dos pacientes portadores de acidente vascular cerebral. Rev Inic Cient Ext [Internet]. 3º de julho de 2018 [citado 10º de dezembro de 2019];1(Esp):127-35. Disponível em: https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/61

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

1 2 > >>