Percepção das gestantes sobre o pré-natal

  • Brunna Carolina Davi de Oliveira
  • Sandra de Sousa Brito
  • Ani Cátia Giotto

Resumo

Enfermeiros são profissionais habilitados a acompanhar gestações de baixo risco realizando consultas de pré-natal. Esse acompanhamento serve para a gestante e a família como momento de preparação e aprendizagem que permite ainda avaliar riscos ou problemas envolvendo a mãe e o bebê no processo gestacional. Apresenta-se como objetivo analisar artigos que contenham pesquisas acerca da percepção de gestantes sobre o pré-natal em enfermagem. Tratou-se de uma pesquisa bibliográfica integrativa de abordagem qualitativa e quantitativa. O levantamento foi realizado utilizando os descritores: "percepção da gestante", "pré-natal", "enfermagem" e "enfermeiro". Observou-se que há satisfação com a equipe de enfermagem por parte das gestantes pesquisadas nesses artigos, entretanto, pouco conteúdo científico foi produzido sobre o tema. Conclui-se que há necessidade de aprimoramento em alguns pontos, como maior quantidade de informações; aumento no número de atividades educativas, melhoria na organização e divulgação dessas ações; além da necessidade de se produzir mais conteúdos científicos relacionados com o pré-natal.

Descritores: Cuidado pré-natal; Enfermagem; Enfermeiro; Gestação.

Referências

Araújo MS, Silva MED, Moraes RC, Alves DS. A importância do pré-natal e a assistência de enfermagem. Veredas Favip, Revista Eletrônica de Ciências. 2010; 3(2): 61-67.

Barbosa TLA, Gomes LMX, Dias OV. O pré-natal realizado pelo enfermeiro: A satisfação das gestantes. Cogitar e Enferm. 2011; 16(1):29-35.

Tomasi E, Fernandes PAA, Fischer T, Siqueira FCV, Silveira DS, Thumé E, et al. Qualidade da atenção pré-natal na rede básica de saúde do Brasil: indicadores e desigualdades sociais. Cad. Saúde Pública 2017; 33(3):1678-4464.

Guerreiro EM, Rodrigues DP, Silveira MAM, Lucena NBF. O cuidado pré-natal na atenção básica de saúde sob o olhar das gestantes. Revista Mineira de Enfermagem. 2012;16(3): 315-323.

Rodrigues EM, Nascimento RG, Araújo A. Protocolo na assistência pré-natal: ações, facilidades e dificuldades dos enfermeiros da Estratégia Saúde da Família. RevEscEnferm USP. 2011; 45(5): 1041-1047.

Santos AL, Radovanovic CAT, Macon SS. Assistência pré-natal: satisfação e expectativas. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste. 2010;11(Número Especial):61-71.

Anversa ETR, Bastos GAN, Nunes LN, Pizzol TSD. Qualidade do processo da assistência pré-natal: unidade básica de saúde e unidades de Estratégia Saúde da Família em municípios no Sul do país. Caderno de saúde pública, Rio de Janeiro. 2012; 28(4):789-800.

Duarte SJH, Almeida EP. O papel do enfermeiro do programa saúde da família no atendimento pré-natal. Revista de enfermagem do centro oeste mineiro, 2014; 4(1):1029-1035.

Ortiga EPF, Carvalho MDB, Pelloso SM. Percepção da assistência pré-natal de usuária do serviço público de saúde. RevEnferm UFSM 2015; 5(4): 618-627.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual Técnico Pré-natal e puerpério:Atenção qualificada e humanizada. 3ªed. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.Disponível em < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_pre_natal_puerperio_3ed.pdf>. Acesso em: 05 de junho de 2018.

Lacerda LM, Elias CMV, Miranda RA, Monteiro ESOH, Feitosa VC, Ribeiro IAP. Percepção da gestante adolescente em relação ao atendimento pré-natal na atenção básica de saúde. 2014; 7(2): 51-59.

Rodrigues SCA, Silva KCO, Rodrigues APA, Ribeiro TCO. Ações educativas desenvolvidas pelo enfermeiro durante o pré-natal em uma unidade básica de saúde. R. Interd. 2015; 8(2): 68-74.

Rocha AC, Andrade GS. Atenção da Equipe de enfermagem durante o pré-natal: Percepção das gestantes atendidas na rede básica de Itapuranga-GO em diferentes contextos sociais. Revista Enfermagem Contemporânea. 2017; 6(1):30-41.

Guedes CDSF, Souza TKC, Medeiros LNB, Silva DR, Neta BPAA, Santos MM, et al. Percepção das gestantes sobre a promoção do parto normal no pré-natal. Revista Ciência Plural.2017; 3(2):87-98.

Suhre BP, Costa AEK, Pissaia LF, Moreschi C. Sistematização da assistência de enfermagem: percepção de gestantes acompanhadas em uma unidade básica de saúde. Revista Espaço Ciência e Saúde. 2017; 5(1):2526-8546.

Souza ZNR, Rosa MC, Bastiani JAN. Maternidade: percepções de gestantes primíparas usuárias do Serviço Básico de Saúde. J Health Sci Inst. 2011;29(4):272-5

Brasil, Ministério da Saúde. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Caderno de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012. Disponível em: <http://portalms.saude.gov.br/saude-para-voce/saude-da-crianca/pre-natal-e-parto.> Acesso em: 06 de junho de 2018.

Brasil, Ministério da Saúde. Guia do pré-natal do parceiro para profissionais de saúde.Secretaria de Atenção à Saúde. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde; 2016. Disponível em: <HTTP://portalarquivos2.saude.gov.br/imagens/pdf/2016/agosto/11/guia_PreNatal.pdf> Aceso em: 09 de junho de 2018.

Brasil, Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Atenção a gestante e puérpera no SUS-SP. Coordenadoria de Planejamento em Saúde. Atenção a gestante e puérpera no SUS-SP, Manual técnico do pré-natal e puerpério. São Pailo:Secretaria de Estado da Saúde; 2010. Disponível em:

<http://www.saude.sp.gov.br/resources/ses/perfil/gestor/destaques/atencao-a gestante-e-a-puerpera-no-sus-sp/manual-tecnico-do-pre-natal-e puerperio/manual_tecnicoii.pdf> Acesso em: 29 de agosto de 2018.

Silva ME, Maraschin M. Atendimento as gestantes em unidades básicas de saúde em Cascavel/PR. 6º Seminário Nacional Estado e Políticas Sociais, 2º Seminário de Direitos Humanos, Capitalismo Contemporâneo na América Latina: Políticas Sociais Universais?. Unioeste 2014; 2014 set. Toledo, PR; Brasil.

Brasil, Ministério da Saúde. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Caderno de atenção básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.Disponível em:

<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_32_prenatal.pdf>. Acesso em: 08 de junho 2018.

Peixoto CR, Freitas LV, Teles LMR, Campos FC, Paula PF, Damasceno AKC. O pré-natal na atenção primaria: o ponto de partida para reorganização da assistência obstétrica. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2011; 19(2):286-91.

Líbera BD, Saunders C, Santos MMAS, Rimes KA, Brito FRSS, Baião MR. Avaliação da assistência pré-natal na perspectiva de puérperas e profissionais de saúde. Ciência & Saúde Coletiva.2011;16(12):4855-4864.

Brasil, Ministério da Saúde. Caderneta da Gestante, 3ª Edição. Brasília: Ministério da Saúde; 2016. Disponível em::<http://www.mds.gov.br/webarquivos/arquivo/crianca_feliz/Treinamento_Multiplicadores_Coordenadores/Caderneta-Gest-Internet(1).pdf.> Acesso em: 09 de junho de 2018.

Costa CSC, Vila VSC, Rodrigues FM, Martins CA, Pinho LMO. Características do atendimento pré-natal na Rede Básica de Saúde. Rev. Eletr. Enf. 2013;15(2):516-22.

Vieira SM, Bock LF, Zocche DA, Pessota ZU. Percepção das puérperas sobre a assistência prestada pela equipe de saúde no pré-natal. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2011; 20 (Esp): 255-62.

Nunes JT, Gomes KRO, Rodrigues MTP, Mascarenhas MDM. Qualidade da assistência pré-natal no Brasil: revisão de artigos publicados de 2005 a 2015. Cad. Saúde Colet.2016; 24(2): 252-61.

Araújo MS, Silva MED, Moraes RC, Alves DS. A importância do pré-natal e a assistência de enfermagem. Veredas Favip, Revista Eletrônica de Ciências. 2010; 3(2): 61-67.

Barbosa TLA, Gomes LMX, Dias OV. O pré-natal realizado pelo enfermeiro: A satisfação das gestantes. Cogitar e Enferm. 2011; 16(1):29-35.

Tomasi E, Fernandes PAA, Fischer T, Siqueira FCV, Silveira DS, Thumé E, et al. Qualidade da atenção pré-natal na rede básica de saúde do Brasil: indicadores e desigualdades sociais. Cad. Saúde Pública 2017; 33(3):1678-4464.

Guerreiro EM, Rodrigues DP, Silveira MAM, Lucena NBF. O cuidado pré-natal na atenção básica de saúde sob o olhar das gestantes. Revista Mineira de Enfermagem. 2012;16(3): 315-323.

Rodrigues EM, Nascimento RG, Araújo A. Protocolo na assistência pré-natal: ações, facilidades e dificuldades dos enfermeiros da Estratégia Saúde da Família. RevEscEnferm USP. 2011; 45(5): 1041-1047.

Santos AL, Radovanovic CAT, Macon SS. Assistência pré-natal: satisfação e expectativas. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste. 2010;11(Número Especial):61-71.

Anversa ETR, Bastos GAN, Nunes LN, Pizzol TSD. Qualidade do processo da assistência pré-natal: unidade básica de saúde e unidades de Estratégia Saúde da Família em municípios no Sul do país. Caderno de saúde pública, Rio de Janeiro. 2012; 28(4):789-800.

Duarte SJH, Almeida EP. O papel do enfermeiro do programa saúde da família no atendimento pré-natal. Revista de enfermagem do centro oeste mineiro, 2014; 4(1):1029-1035.

Ortiga EPF, Carvalho MDB, Pelloso SM. Percepção da assistência pré-natal de usuária do serviço público de saúde. RevEnferm UFSM 2015; 5(4): 618-627.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual Técnico Pré-natal e puerpério:Atenção qualificada e humanizada. 3ªed. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.Disponível em < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_pre_natal_puerperio_3ed.pdf>. Acesso em: 05 de junho de 2018.

Lacerda LM, Elias CMV, Miranda RA, Monteiro ESOH, Feitosa VC, Ribeiro IAP. Percepção da gestante adolescente em relação ao atendimento pré-natal na atenção básica de saúde. 2014; 7(2): 51-59.

Rodrigues SCA, Silva KCO, Rodrigues APA, Ribeiro TCO. Ações educativas desenvolvidas pelo enfermeiro durante o pré-natal em uma unidade básica de saúde. R. Interd. 2015; 8(2): 68-74.

Rocha AC, Andrade GS. Atenção da Equipe de enfermagem durante o pré-natal: Percepção das gestantes atendidas na rede básica de Itapuranga-GO em diferentes contextos sociais. Revista Enfermagem Contemporânea. 2017; 6(1):30-41.

Guedes CDSF, Souza TKC, Medeiros LNB, Silva DR, Neta BPAA, Santos MM, et al. Percepção das gestantes sobre a promoção do parto normal no pré-natal. Revista Ciência Plural.2017; 3(2):87-98.

Suhre BP, Costa AEK, Pissaia LF, Moreschi C. Sistematização da assistência de enfermagem: percepção de gestantes acompanhadas em uma unidade básica de saúde. Revista Espaço Ciência e Saúde. 2017; 5(1):2526-8546.

Souza ZNR, Rosa MC, Bastiani JAN. Maternidade: percepções de gestantes primíparas usuárias do Serviço Básico de Saúde. J Health Sci Inst. 2011;29(4):272-5

Brasil, Ministério da Saúde. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Caderno de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012. Disponível em: <http://portalms.saude.gov.br/saude-para-voce/saude-da-crianca/pre-natal-e-parto.> Acesso em: 06 de junho de 2018.

Brasil, Ministério da Saúde. Guia do pré-natal do parceiro para profissionais de saúde.Secretaria de Atenção à Saúde. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde; 2016. Disponível em: <HTTP://portalarquivos2.saude.gov.br/imagens/pdf/2016/agosto/11/guia_PreNatal.pdf> Aceso em: 09 de junho de 2018.

Brasil, Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Atenção a gestante e puérpera no SUS-SP. Coordenadoria de Planejamento em Saúde. Atenção a gestante e puérpera no SUS-SP, Manual técnico do pré-natal e puerpério. São Pailo:Secretaria de Estado da Saúde; 2010. Disponível em:

<http://www.saude.sp.gov.br/resources/ses/perfil/gestor/destaques/atencao-a gestante-e-a-puerpera-no-sus-sp/manual-tecnico-do-pre-natal-e puerperio/manual_tecnicoii.pdf> Acesso em: 29 de agosto de 2018.

Silva ME, Maraschin M. Atendimento as gestantes em unidades básicas de saúde em Cascavel/PR. 6º Seminário Nacional Estado e Políticas Sociais, 2º Seminário de Direitos Humanos, Capitalismo Contemporâneo na América Latina: Políticas Sociais Universais?. Unioeste 2014; 2014 set. Toledo, PR; Brasil.

Brasil, Ministério da Saúde. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Caderno de atenção básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.Disponível em:

<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_32_prenatal.pdf>. Acesso em: 08 de junho 2018.

Peixoto CR, Freitas LV, Teles LMR, Campos FC, Paula PF, Damasceno AKC. O pré-natal na atenção primaria: o ponto de partida para reorganização da assistência obstétrica. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2011; 19(2):286-91.

Líbera BD, Saunders C, Santos MMAS, Rimes KA, Brito FRSS, Baião MR. Avaliação da assistência pré-natal na perspectiva de puérperas e profissionais de saúde. Ciência & Saúde Coletiva.2011;16(12):4855-4864.

Brasil, Ministério da Saúde. Caderneta da Gestante, 3ª Edição. Brasília: Ministério da Saúde; 2016. Disponível em::<http://www.mds.gov.br/webarquivos/arquivo/crianca_feliz/Treinamento_Multiplicadores_Coordenadores/Caderneta-Gest-Internet(1).pdf.> Acesso em: 09 de junho de 2018.

Costa CSC, Vila VSC, Rodrigues FM, Martins CA, Pinho LMO. Características do atendimento pré-natal na Rede Básica de Saúde. Rev. Eletr. Enf. 2013;15(2):516-22.

Vieira SM, Bock LF, Zocche DA, Pessota ZU. Percepção das puérperas sobre a assistência prestada pela equipe de saúde no pré-natal. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2011; 20 (Esp): 255-62.

Nunes JT, Gomes KRO, Rodrigues MTP, Mascarenhas MDM. Qualidade da assistência pré-natal no Brasil: revisão de artigos publicados de 2005 a 2015. Cad. Saúde Colet.2016; 24(2): 252-61.

Publicado
2018-06-26
Como Citar
1.
Oliveira BCD de, Brito S de S, Giotto AC. Percepção das gestantes sobre o pré-natal. Rev Inic Cient Ext [Internet]. 26º de junho de 2018 [citado 15º de dezembro de 2019];1(2):96-108. Disponível em: https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/57

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##