PERCEPÇÃO DE DISCENTES DE CURSOS DE SAÚDE SOBRE O ATENDIMENTO ÀS MULHERES VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA

Autores

  • Mayara Cristina de Jesus Carvalho Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires
  • Ani Cátia Giotto Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires

Palavras-chave:

Violência contra Mulheres, Violência Baseada em Gênero, Enfermagem

Resumo

Objetivo: Conhecer a percepção de estudantes e profissionais da área de saúde sobre a abordagem da temática violência contra a mulher ministrada durante a graduação. Metodologia: Pesquisa exploratória de cunho qualitativo, com metodologia empregada por meio de questionário semiestruturado. A coleta de dados foi realizada através de mídias sociais online com a utilização de questionário com questões objetivas e subjetivas, os dados foram submetidos à análise temática de conteúdo. Resultados: Os resultados mostram que a temática foi abordada superficialmente na formação acadêmica e que muitas vezes esse déficit está relacionado a atendimento e profissionais pouco qualificados. Conclusões: O estudo mostra que qualificação adequada profissional pode modificar a vida de uma mulher em condições de violência, sendo ela doméstica, sexual, psicológica, emocional de cunho social, entre outras formas. Futuros profissionais de saúde precisam sair da faculdade sentindo-se preparados para executar atendimento de qualidade, humano, sem julgamentos e com mais apoio.

Referências

- Minayo MC, Souza ER. Violência e saúde como um campo interdisciplinar e de ação coletiva. Hist. cienc. saude-Manguinhos. 1998, p. 513-31.

- Da Cunha Almendra CA, Baierl LF. A violência: realidade cotidiana. Sociedade e Cultura [Internet]. 2007[acesso em 2020 set 15];10(2):267-279. Recuperado de: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=70310211.

-Schraiber LB, d'Oliveira AFP, França-Junior I, Pinho AA. Violência contra a mulher: estudo em uma unidade de atenção primária à saúde. Rev. Saúde Públ. 2002; 36 (4):470-477.

- Heise L. Violence Against Women: Global Organizing for Change. Futuras intervenções com mulheres agredidas e suas famílias. 1996.

-Barsted LL, Hermann J. Instrumentos internacionais de proteção aos direitos humanos: os direitos das mulheres são direitos humanos. Rio de Janeiro: Cepia. 1999.

-Crowell N, Burgess AW. Understanding violence against women: panel on research on violence against women. Washington (DC): Nat Acad Press.1996.

Rev Inic Cient e Ext. 2021; 4(1): 603-12

Carvalho MCJ, Giotto AC.

-Heise L, Ellsberg M, Gottemoeller M. Ending violence against women. Pop Rep. 1999; 27(4):1-43

-Brasil MS. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Viva: instrutivo de notificação de violência doméstica, sexual e outras violências. 2011. 9-Lucena KDTD, Silva ATMCD, Moraes RMD, Silva CCD, Bezerra IMP. Análise espacial da violência doméstica contra a mulher entre os anos de 2002 e 2005 em João Pessoa, Paraíba, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2012; 28(6):1111-1121.

-Acosta DF, de Oliveira Gomes VL, de Oliveira DC, Marques SC, da Fonseca AD. Representações sociais de enfermeiras acerca da violência doméstica contra a mulher: estudo com abordagem estrutural. Rev. Gaúcha Enferm. [Internet]. 2018 [citado 2020 Nov 02]; 39:

e61308. Disponível http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472018000100417&lng=pt.

em:

Epub 23-Jul-2018. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2018.61308.

-De Enfermagem Forense AB. Cartilha de Orientações da Enfermagem Forense e Campanha direcionada para a Identificação, Notificação e Denúncia da Violência. Aracaju Sergipe, Brasil. 2017.

-Silva CD, de Oliveira Gomes VL. Violência contra a mulher: dimensões representacionais de discentes de enfermagem. Rev. enferm. Cent.-Oeste Min. 2018; 8.

-Gomes VLO, Silva CD, Oliveira DC, Acosta DF, Amarijo CL. Violência doméstica contra a mulher: representações de profissionais de saúde. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2015; 23(4):718-24.

-Santinon EP, Gualda DMR, Silva LCFP. Violência contra a mulher: notificação compulsória e outros instrumentos legais de uso dos profissionais de saúde. Rev. Âmbito Jurídico. 2010; 13(74).

-Silva IV. Violência contra mulheres: a experiência de usuárias de um serviço de urgência e emergência de Salvador, Bahia, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2003; 19:263-72.

-Gomes NP, Bomfim ANA, Diniz NMF, Souza SS, Couto TM. Percepção dos profissionais da rede de serviços sobre o enfrentamento da violência contra a mulher. Rev. Enfermagem UERJ. 2012; 20(2):173-178.

- Silva EBD, Padoin SMDM, Vianna LAC. Women in situations of violence: limits of assistance. Ciênc. Saúde Coletiva. 2015; 20(1):249-258.

-Dantas BM, Méllo RP. Posicionamentos críticos e éticos sobre a violência contra as mulheres. Psicol. Soc. 2008; 20(SPE):78-86.

-Ministério da Saúde SPS. Violência intrafamiliar Orientações para a prática em serviço. Cad Atenção Básica N° 8 Série A - Normas e Manuais Técnicos; n° 13- Brasília/DF 2002.

Rev Inic Cient e Ext. 2021; 4(1): 603-12

Carvalho MCJ, Giotto AC.

-Amarijo CL, da Costa Gonçalves NG, Figueira AB, Minasi AÁ. Violência doméstica contra a mulher na perspectiva dos quatro pilares da educação. J. nurs. health. 2020; 10(1). 21-Gonçalves HS, Ferreira AL. A notificações da violência intrafamiliar contra crianças e adolescentes por pressionais da saúde. Cad. Saúde Pública. 2002; 18(1):315-9.

-De Assis Aquino S. Violência Doméstica e a Notificação Compulsória: Entre o Dever Estatal de Proteção e a Preservação da Intimidade e da Autonomia da Vítima. Brasília: IDP. 2020.

- Prevedello PV. A importância de capacitar os profissionais da saúde para o atendimento as vítimas de violência intrafamiliar. Santa Maria. [Especialista em Sistema Público de Saúde]. Universidade Federal de Santa Maria; 2015.

- Senado Federal. Lei n°13.931 de 10/12/1/2019: Altera a Lei n°10.778, de 24 de novembro de 2003, para dispor sobre a notificação compulsória dos casos de suspeita de violência contra a mulher. [Internet]. Diário Oficial da União: Senado Federal; 2019 Dec 11 [revised 2020 Oct 15; cited 2020 Aug 20]. Available from: https://legis.senado.leg.br/norma/31799438/publicacao/31801392

- Lawrenz P, Macedo DM, Hohendorff JV, Freitas CPPD, Foschiera LN, Habigzang LF. Violência contra Mulher: Notificações dos Profissionais da Saúde no Rio Grande do Sul. Psic.Teor. e Pesq. 2018; 34.

-Cordeiro KCC, Santos RM, Gomes NP, Melo DS, Mota RS, Couto TM. Formação profissional e notificação da violência contra a mulher. Rev. baiana enferm. 2015; 29(3):209-217.

-Silva PLND, Almeida SGD, Martins AG, Gamba MA, Alves ECS, Silva Junior RFD. Práticas educativas sobre violência contra a mulher na formação de universitários. Rev. Bioética. 2016; 24(2): 276-285.

- Pedrosa CM, Spink MJP. A violência contra mulher no cotidiano dos serviços de saúde: desafios para a formação médica. Saúde Soc. 2011; 20: 124-135.

-Simoes AV, Machado JC, Soares IGB, Rodrigues VP, Pires VMMM, Penna LHG. Identificação e conduta da violência doméstica contra a mulher sob a ótica dos estudantes universitários. Enferm. Actual Costa Rica. 2019;37: 95-109.

-Rigol-Cuadra A, Galbany-Estragué P, Fuentes-Pumarola C, Burjales-Martí MD, Rodríguez-Martín D, Ballester-Ferrando D. Percepção de estudantes de enfermagem sobre violência do parceiro: conhecimentos, crenças e função profissional.Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2015; 23(3):527-534.

Downloads

Publicado

2021-06-09

Como Citar

1.
de Jesus Carvalho MC, Giotto AC. PERCEPÇÃO DE DISCENTES DE CURSOS DE SAÚDE SOBRE O ATENDIMENTO ÀS MULHERES VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA. Rev Inic Cient Ext [Internet]. 9º de junho de 2021 [citado 24º de outubro de 2021];4(1):603-12. Disponível em: https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/321