EFEITOS DA HIDROTERAPIA NA NOÇÃO CORPORAL DE PACIENTES COM PARALISIA CEREBRAL

Autores

  • Apoliany Barbosa Dos Santos Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires
  • Isabela Maciel Da Silva Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires
  • Amanda Cabral Dos Santos Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires

Palavras-chave:

Paralisia Cerebral, Hidroterapia, Reabilitação, Fisioterapia

Resumo

O tema deste trabalho é “Efeitos da hidroterapia na noção corporal de pacientes com paralisia cerebral”. Investigou-se o seguinte problema: “De que forma a hidroterapia mostrará resultado no trabalho de noção corporal em pacientes com paralisia cerebral?”. Cogitou-se a seguinte hipótese “a hidroterapia melhora a noção corporal dos pacientes com paralisia cerebral, o que traz benefícios para outros aspectos do desenvolvimento já que, com maior consciência sobre o corporal, o paciente faz com que os demais efeitos produzidos pela hidroterapia sejam mais duradouros, para além do tempo de aplicação das técnicas hidroterápicas”. O objetivo geral é “demonstrar a eficácia da hidroterapia na evolução dos pacientes com paralisia cerebral, com enfoque na noção corporal”. Os objetivos específicos são: “Relatar os benefícios da hidroterapia para pacientes com paralisia cerebral”; “Relacionar os benefícios da hidroterapia relacionados à noção corporal de pacientes com paralisia cerebral”. Este trabalho é importante para que pacientes com paralisia cerebral possam ter uma perspectiva de vida melhor com sessões de hidroterapia. Percebe-se que a hidroterapia vem sendo uma estratégia terapêutica de grande valor para pacientes com PC, atuando diretamente na flexibilidade, na funcionalidade, na amplitude de movimentos, na postura e na força muscular. Sendo assim, esse recurso melhora a noção corporal dos pacientes, refletindo numa melhora da qualidade de vida. Para a ciência, esse trabalho é relevante pois estuda as evidências científicas de um recurso muito utilizado e procurado como meio de reabilitação de pacientes com paralisia cerebral. Agrega à sociedade pelo fato de ampliar o conhecimento da sociedade a respeito desse recurso. Trata-se de uma revisão sistemática, fundamentada em pesquisas bibliográficas com duração de três meses.

Referências

Rotta NT. Paralisia Cerebral, novas perspectivas terapêuticas. Porto Alegre: Artmed, 2002

Tecklin JS. Fisioterapia Pediátrica. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2002.

Leite JMRS; Prado GF. Paralisia cerebral: Aspectos Fisioterapêuticos e Clínicos. Disponível em: http://www.unifesp.br/dneuro/neurociencias/vol12_1/paralisia_cerebral.htm. Acesso em 06/10/2020 às 12:00hs

Degani AM. Hidroterapia: os efeitos físicos, fisiológicos e terapêuticos da água. Fisioterapia em Movimento, p. 93-105, 1998.

Fonseca V. Manual de observação psicomotora: significação psiconeurológica dos fatores psicomotores. 2 ed. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2012

Scheffer A, Martins N, Ruckert D, Galvan TC, Corrêa PS, Thomazi CPF. Efeitos da hidroterapia na espasticidade de pacientes com diagnóstico de paralisia cerebral. R. Perspect. Ci. e Saúde 2018;3(2): 37-43.

Fava, Edna Maria Ferreira de Andrade; Ferraz, Ruthineia Kruki; Vicente, Juliana Yule Mendes. Efeitos da psicomotricidade na reabilitação aquática de pacientes portadores de paralisia cerebral. Revista Hispeci & Lema On-Line, Bebedouro SP, 8 (1): 1-20, 2017.

Freitas J, Constin ACMS; Mélo TR. Avaliação psicomotora de crianças com paralisia cerebral deambuladores: caracterização e aplicabilidade. Com Scientia e Saúde, 322 2018;17(3):322-333.

Maia JA, Barros VJS, Cristino VM; Figueiredo NL, Morais Filho, PEB, Pereira AS, Colares, PGB. Percepção do cuidador sobre a importância da hidroterapia na reabilitação infantil pelo sistema único de saúde (SUS). Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 6, n. 6, p.35570-35576, jun. 2020.

Downloads

Publicado

2021-06-09

Como Citar

1.
Barbosa Dos Santos A, Maciel Da Silva I, Cabral Dos Santos A. EFEITOS DA HIDROTERAPIA NA NOÇÃO CORPORAL DE PACIENTES COM PARALISIA CEREBRAL. Rev Inic Cient Ext [Internet]. 9º de junho de 2021 [citado 18º de junho de 2021];4(1):526-35. Disponível em: https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/312