Assistência de enfermagem no atendimento de mulheres em situação de violência na atenção básica

  • Aline de Assis Pereira Xavier
  • Erci Gaspar da Silva
Palavras-chave: Cuidados de enfermagem, Violência contra Mulher, Violência

Resumo

Identificaram-se as ações desenvolvidas para o atendimento de mulheres em situação de violência e reconhecer os tipos de violência contra as mulheres atendidas na atenção básica. O estudo é uma revisão bibliográfica com publicações em português que abordam violência contra a mulher e cuidados de enfermagem, com período de publicação entre 2014 a 2019, com exceção da Lei 11.340 de Agosto de 2006, nas bases de dados La Literatura Latino Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (Lilacs), Scientific Electronic Library Online (Scielo), National Library of Medicine (Medline), Centro Latino Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde (BIREME). Após análise de dados, criaram duas categorias temáticas: Violência contra a mulher e Atuação da enfermagem na violência contra a mulher. Compreende que há violência contra mulher, em seus distintos tipos, a equipe de enfermagem menciona que as mais prevalentes são a física, sexual e psicológica, é algo corriqueiro presente desde o princípio da sociedade. O enfermeiro identifica esta usuária através da escuta qualificada, empatia e o vínculo no acolhimento, sendo ferramentas essenciais para o atendimento, porém mostrou também que a equipe de enfermagem não se sente preparada para abordagem da mulher em situação de violência.

Referências

1. Silva NNF, Leal SMC, Trentin D, Vargas MAO, Vargas CP, Vieira LB. Atuação dos enfermeiros da atenção básica a mulheres em situação de violência. Enferm. Foco 2017; 8 (3): 70-74.
2. Netto LA, Pereira ER, Tavares JMAB, Ferreira DC, Broca PV. Atuação da enfermagem na conservação da saúde de mulheres em situação de violência. REME – Rev Min Enferm. 2018[citado em: 21 de Jul. 2019]; 22: e-1149. Disponível em: . DOI: 10.5935/1415-2762.20180080
3. Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil: texto constitucional promulgado em 05 de outubro de 1988, com as alterações determinadas pelas Emendas Constitucionais de Revisão nos 1 a 6/94, pelas Emendas Constitucionais nos 1/92 a 91/2016 e pelo Decreto Legislativo no 186/2008. – Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2016. ISBN: 978-85-7018-698-0 Disponível em: . Acesso em: 21 jul.2019
4. Brasil. Secretária de Políticas para as Mulheres. Lei Maria da Penha Nº 11.340, de 7 de Agosto de 2006.Cria mecanismo para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher.Brasília. Edição 2012; 40p.
5. Visentin F, Vieira LB, Trevisan I, Lorenzini E, Silva EF. A enfermagem na atenção ao cuidar de mulheres em situação de violência de gênero. InvestEducEnferm. 2015; 33 (3): 556-564. Disponível em:. Acesso em 21 jul 2019.
6. Brasil. Ministério da Saúde. Protocolos da Atenção Básica: Saúde das Mulheres / Ministério da Saúde, Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa. Brasília: Ministério da Saúde, 2016. Disponível em: . Acesso em: 22 jul 2019.
7. Brasil, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Atlas da violência 2019. Brasília: Rio de Janeiro: São Paulo: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Disponível em: . Acesso em: 22 Jul 2019.
8. Silva CD, Gomes VLO, Oliveira DC, Marques SC, Fonseca AD, Martins SR. Representação social da violência doméstica contra a mulher entre Técnicos de Enfermagem e Agentes Comunitários. Revista Escola Enfermagem da USP 2015; 49(1):22-29. DOI: 10.1590/S0080-623420150000100003. Disponível em: . Acesso em: 23 jul 2019.
9. Gomes NP, Erdmann AL. Violência conjugal na perspectiva de profissionais da “Estratégia Saúde da Família”: problema de saúde pública e a necessidade do cuidado à mulher. Rev. Latino-Am. Enfermagem jan.-fev. 2014;22(1):DOI: 10.1590/0104-1169.3062.2397. Disponível em: . Acesso em: 23 jul 2019.
10. Gomes VLO, Silva CD, Oliveira DC, Acosta DF, Amarijo CL. Violência doméstica contra a mulher: representações de profissionais de saúde. Rev. Latino-Am. Enfermagem jul.-ago. 2015;23(4):718-24. DOI: 10.1590/0104-1169.0166.2608. Disponível em: . Acesso em: 24 jul 2019
11. Santos J, Andrade RL, Reis LA, Duarte SFP. Conhecimento de enfermeiras em unidades de saúde sobre a assistência à mulher vítima da violência. 2014. Revista Baiana de Enfermagem, Salvador, v. 28, n. 3, p. 260-270, set./dez. 2014.
12. Paes MSL. Cuidado à mulher em situação de violência: demandas e expectativas das usuárias da atenção primária à saúde. Juiz de Fora. Dissertação [Pós-Graduação em Tecnologia e Comunicação no Cuidado em Saúde e Enfermagem] - Universidade Federal; 2015. 97f.
13. Silva LEL, Oliveira MLC. Características epidemiológicas da violência contra a mulher. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 25(2):331-342, abr-jun 2016. DOI: 10.5123/S1679-49742016000200012. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ress/v25n2/2237-9622-ress-25-02-00331.pdf>. Acesso em: 25 jul 2019.
14. Rodrigues VP, Oliveira GL, Machado JC, Simões AV, Pires VMMM, Morais RLGL. Assistência à saúde da mulher em situação de violência doméstica: revisão integrativa. Rev. Saúde. Com 2018; 14(1): 1121-1129. DOI 10.22481/rsc.v14i1.538
15. Andréa Colares Batista, Anne Emiller do Amor Divino, Manuela de Carvalho Vieira Martins. A Sistematização da Assistência de Enfermagem no atendimento a mulheres vítimas de violência. Unit Universidade Tiradentes. International nursing congress Theme: Good practices of nursing representations In the construction of society May 9-12, 2017. Disponível em:< https://eventos.set.edu.br/index.php/cie/article/viewFile/5704/2127>. Acesso em: 26 jul 2019.
16. Conselho Federal de Enfermagem. Resolução COFEN nº 564/2017, de 06 de Novembro de 2017.Disponível em: [Acesso em: 02 de Ago 2019].
17. Sousa MH, Bento SF, Osis MJD, Ribeiro MP, Faúndes A. Preenchimento da notificação compulsória em serviços de saúde que atendem mulheres que sofrem violência sexual. Revista Brasileira de Epidemiologia. Jan-Mar 2015; 18(1): 94-107.
Publicado
2019-10-22
Como Citar
1.
Xavier A de AP, Silva EG da. Assistência de enfermagem no atendimento de mulheres em situação de violência na atenção básica. Rev Inic Cient Ext [Internet]. 22º de outubro de 2019 [citado 12º de novembro de 2019];2(Esp.2):293-00. Disponível em: https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/279