Os riscos da associação de drogas sintéticas com bebidas alcoólicas: perspectiva da atenção farmacêutica

  • Gisele Braz
  • Meiriane de Oliveira
  • Alice da Cunha Morales Álvares
Palavras-chave: Drogas sintéticas, Álcool, Atenção Farmacêutica, Farmacologia, Toxicologia

Resumo

O presente trabalho deu embasamento qualitativo à um estudo em formato de revisão bibliográfica acerca dos riscos da associação de drogas sintéticas com a bebida alcoólica. Com o objetivo inicial de apresentar os riscos do uso de drogas sintéticas com combinação de bebidas alcoólicas, uma revisão na perspectiva da atenção farmacêutica. A metodologia é uma revisão bibliográfica, o levantamento dos dados das literaturas foi realizado por meio de pesquisas em livros disponibilizados na Biblioteca da Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires (FACESA), artigos científicos e em sites de bibliotecas virtuais, Bireme, Revista Brasileira de Farmácia, Lilacs e Scielo, como critério de inclusão fez uso de artigos ou teses com data de publicação a partir do ano de 2010, na análise encontrou 40 artigos, destes, 20 foram excluídos por não atenderem aos critérios de inclusão. Na discussão, vários estudos assinalam que o consumo de drogas sintéticas causam malefícios irreparáveis à saúde, por serem substâncias químicas psicoativas sem procedência de qualidade, e em sua composição podem conter anfetaminas, metanfetamina e ácido lisérgico, e tantas outras substâncias desconhecidas, e sua associação ao consumo de bebidas alcoólicas, potencializa o efeito exacerbador.  Conclui-se que a associação de drogas sintéticas com as bebidas alcoólicas deixa o usuário suscetível à agitação incomum, convulsão, delírios, sentimento de perseguição (parte psicológica afetada), hipertensão, taquipnéia, hipotermia, danos ao fígado e aos sistemas imunológico, renal, dentre outros.

Referências

1. Silva, Ana Amélia Benedito et al. II Levantamento domiciliar sobre drogas psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as 108 maiores cidades do Brasil. Centro Brasileiro de Informações Sobre Drogas Psicotrópicas, 2006. Disponível em: Acesso em 02 mar. 2019.
2. Albertani, Helena M. B. Prevenção do uso de drogas: fatores de risco e fatores de proteção. Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2016.
3. Canavez, Márcia Figueira. Fatores predisponentes para o uso precoce de drogas por adolescentes. 2010. Cadernos UniFOA edição nº 14, dezembro/2010. Disponível em: . Acesso em: 24 abril. 2019.
4. Cassimiro, Regina Magda Alves. A importância da prevenção na luta contra as drogas: Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Academia Nacional de Polícia como exigência parcial para a obtenção do título de Especialista em Execução de Políticas de Segurança Pública. 2009. Orientador: Ms. Élben César Oliveira Rodrigues. Disponível em: . Acesso em: 10 abril. 2019.
5. Fonseca, Martha Reis Marques da. Completamente Química: química orgânica. São Paulo: FTD, 2001.
6. Lopes, Cacho. Cara a cara com as drogas: guia prático para entender e enfrentar a complexidade de dependência. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2017.
7. Gonzatto, Marcelo. Zero Hora. Porto Alegre, 29 de ago. 2008. Vida. nº 354.
8. Martins, Andréa Barbosa et al. Drogas no ensino de química. Química Nova. São Paulo, v. 23, n. 18, p. 18-20, 2003. MICHEL, Osvaldo da Rocha. Alcool, Drogas e Alucinações como Tratar. RJ: Revinter, 2002.
9. Nascimento, Emilce Carneiro de Andrade do. A Prevenção ao uso de Droga na adolescencia. Rio de Janeiro 2005. Orientador Prof. M. S. Nilson Guedes de Freitas. Disponível em: . Acesso em: 25 abril 2019.
10. Parada, Juliana Joni. Aspectos psicossociais relacionados ao uso de drogas na adolescência. 2013. Percurso Acadêmico, Belo Horizonte, v. 3, n. 5, p. 10-21, jan./jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 fevereiro. 2019.
11. Queiroz, Vinicius Eduardo. A QUESTÃO DAS DROGAS ILÍCITAS NO BRASIL: Monografia submetida ao curso de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Santa Catarina, como requisito obrigatório para a obtenção do grau de Bacharelado... Florianópolis, 2008. Orientador: Prof. Armando Lisboa. Disponível em: Acesso em: 24 março. 2019.
12. Gomes, C. A. P. A assistência farmacêutica na atenção a saúde. Editora Fundação Ezequiel Dias FUNED, Belo Horizonte, 2009. P. 144.
13. Gennaro, A. R. Remington: A ciência e a prática da farmácia. 20 Ed. Editora Guanabara koogan V.1, Rio de Janeiro 2012. P. 44.
14. Oshiro M. L. Evolução da pesquisa em atenção farmacêutica no Brasil: um estudo descritivo do período 1999-2003. Revista Espaço para a Saúde, Londrina, 2006, v.7, n.2. P.24-31.
15. Pereira, Lauris. A evolução da atenção farmacêutica e a perspectiva para o Brasil. Revista brasileira de ciências farmacêuticas. V.44. n.4. São Paulo, 2008. P. 65.
16. Araújo, A. L. A. Perfil da assistência farmacêutica na atenção primária do sistema único de saúde. Revista ciências e saúde coletiva v.13. Rio de Janeiro 2008. P 121.
17. Brasil, Assistência Farmacêutica no SUS. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Brasília: CONASS, 2007. P. 89.
18. Brasil, Assistência Farmacêutica no SUS. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Brasília: CONASS, 2007. P. 212.
19. Pereira, L. R. L. A evolução da atenção farmacêutica e a perspectiva para o Brasil. Revista brasileira de ciências farmacêuticas. V.44. n.4. São Paulo, 2008. P. 10.
20. Araújo, A. L. A. Perfil da assistência farmacêutica na atenção primária do sistema único de saúde. Revista ciências e saúde coletiva v.13. Rio de Janeiro 2008. P 121.
Publicado
2019-10-07
Como Citar
1.
Braz G, Oliveira M de, Álvares A da CM. Os riscos da associação de drogas sintéticas com bebidas alcoólicas: perspectiva da atenção farmacêutica . Rev Inic Cient Ext [Internet]. 7º de outubro de 2019 [citado 12º de novembro de 2019];2(Esp.2):287-92. Disponível em: https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/277

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

1 2 > >>