Alcaçuz e espinheira-santa no tratamento de gastrite

  • José Luis Alves Feitosa Filho
  • Karina Ribeiro Modesto
Palavras-chave: Plantas Medicinais, Gastrite, Tratamento, Biodiversidade, Eficácia Terapêutica

Resumo

Descreveram-se as características etnobotânicas, farmacológicas e químicas das plantas medicinais: Alcaçuz e Espinheira-Santa, utilizadas no tratamento de distúrbios do trato gastrointestinal quanto à eficácia terapêutica e identificar os componentes ativos de cada espécie. Trata-se de um estudo de revisão de literatura, onde foram realizados levantamentos de dado em revistas eletrônicas como a Scielo, Lilacs, Bireme e BVS, publicados de 2003 a 2018, com as palavras-chave: Plantas Medicinais. Gastrite. Tratamento. Biodiversidade; Eficácia Terapêutica. Foram encontrados nas duas espécies medicinais analisadas, metabólitos secundários com propriedades farmacológicas para o sistema gastrointestinal, tendo sido encontrados espécimes químicos como Taninos, Saponinas, Flavonóides e Terpenos. Constatou-se que o Alcaçuz e a Espinheira-Santa são relatados frequentemente com papel no tratamento de distúrbios gastrointestinais, descrevendo-se tanto um efeito protetor do muco citogastroprotetor quanto na recuperação das células de revestimento estomacal.

Referências

1. Mitchell, R.N et al. Fundamentos de Patologia. 7ed.Rio de janeiro: Elsevier, 2005, p. 431-3.
2. Grunwald, Jorg;Janicke; Christof. A farmácia verde. 2 ed. Berlim: Everest, 2006, p. 97-104.
3. Silva, MS; Antonolli, MSS; Batista, JS; Mota, CS. Pub. 16/02/2005. Aceito em 2/05/2006. Plantas medicinais usadas nos distúrbios do trato gastrintestinal no povoado Colônia Treze, Lagarto, SE, Brasil1 Acta bot. bras. 20(4): 815-829. 2006
4. Lévêque, Christian,1999. A Biodiversidade. Trad. Valdo Mermelstein. Bauru, EDUSC.
5. Viertler, 1999, apud Elisabetsky, 2001.
6. Silva, MS; Antonolli, MSS; Batista, JS; Mota, CS. Pub. 16/02/2005. Aceito em 2/05/2006. Plantas medicinais usadas nos distúrbios do trato gastrintestinal no povoado Colônia Treze, Lagarto, SE, Brasil1 Acta bot. bras. 20(4): 815-829. 2006
7. Silva, MS; Antonolli, MSS; Batista, JS; Mota, CS. Pub. 16/02/2005. Aceito em 2/05/2006. Plantas medicinais usadas nos distúrbios do trato gastrintestinal no povoado Colônia Treze, Lagarto, SE, Brasil1 Acta bot. bras. 20(4): 815-829. 2006
8. Elisabetsky, E. 2001. Etnofarmacologia como Ferramenta na Busca de Substâncias Ativas. p. 91-103. In: C.M.O. Simões; E.P. Schenkel; G.
Gosman; J.C.P. Mello; L.A. Mentz& P.R. Petrovick (orgs.). Farmacognosia: da Planta ao Medicamento. 3 ed. rev. Porto Alegre, EdUFRGS; Florianópolis, EdUFSC.
9. BRASIL. Ministério da saúde. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica. Secretaria de Atenção à saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/praticas_integrativas_complementares_plantas_medicinais _cab31.pdf. Acesso em: 20 Nov. 2018.
10. Formulário Fitoterápico da Farmacopéia Brasileira. 1. ed. Brasília, DF: Anvisa, 2011.
11. Mitchell, R.N et al. Fundamentos de Patologia. 7ed.Rio de janeiro: Elsevier, 2005, p. 431-3.
12. Grunwald, Jorg; Janicke; Christof. A Farmácia Verde. 2 Ed. Berlim: Everest, 2006, P. 97-104.
13. Grunwald, Jorg; Janicke; Christof. A farmácia verde. 2 ed. Berlim: Everest, 2006, p. 97-104.
14. Grunwald, Jorg;Janicke; Christof. A farmácia verde. 2 ed. Berlim: Everest, 2006, p. 97-104.
15. Silva, MS; Antonolli, MSS; Batista, JS; Mota, CS. Pub. 16/02/2005. Aceito em 2/05/2006. Plantas medicinais usadas nos distúrbios do trato gastrintestinal no povoado Colônia Treze, Lagarto, SE, Brasil1 Acta bot. bras. 20(4): 815-829. 2006
16. Hiruma-Lima, C.A.; Gracioso, J.S.; Rodriguez, J.A.; Haun, M.; Nunes, D.S. & Souza-Brito, A.R.M. 2000. Gastro protective Effect of Essential Oil from Crotoncajucara Benth. (Euphorbiaceae) JournalofEthnopharmacology 69(3): 229-234.
17. Rao, V.S.N.; Santos, F.A.; Sobreira, T.T.; Souza, M.F.; Melo, C.L. & Silveira, E.R. 1997. Investigationsonthegastroprotectiveandantidiarrhoealpropertiesofternatin, a tetramethoxyflavonefromEgletes viscosa. Planta Medica 63: 146-149.
18. Aktar, M.S. & Munir, M. 1989. EvaluationofthegastricantiulcerogeniceffectsofSolanumnigrum, BrassicaoleraceaeandOcimumbasilicum in rats. JournalofEthnopharmacology27:163-176.
19. Índice terapêutico fitoterápico: ITF. 1. ed. Petrópolis, RJ: EPUB, 2008. Pp. 66; 153 ; 154
20. Simoes, Claudia M.O.; et.al. Farmacognosia da planta ao medicamento. 5 ed. Porto Alegre: Editora da URFRGS, 2004. p. 130.
21. Magalhães, P.M. Agrotecnologia para o cultivo de espinheira-santa. Campinas: 2002.Disponível em: Acesso em: 20 Set. 2018.
22. Negri, Myrian L.S; Possamai, João C.; Nakashima, Tomoe. Atividade antioxidante das folhas de espinheira-santa -Maytenusilicifolia Mart. exReiss., secas em diferentes temperaturas. Revista Brasileira de farmacognosia. Curitiba, v. 19, n. 2, p.553-556,abr./jun.2009.Disponível em: . Acesso em: 20 Set. 2018.
23. Oliveira, R.S. et al. Revisão da Maytenusilicifolia Mart. exReissek, Celastraceae: contribuição ao estudo das propriedades farmacológicas. Revista Brasileira de Farmacognosia. João Pessoa, v. 19,n. 2 abr./jun.2009. Disponível: .Acesso em: 20 Set. 2018.
24. Maria Teresa Abrunhosa Ferraz Alves. Plantas medicinais no alívio da dor inflamatória. Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra. Julho 2014
25. Castejon, F. V. (2011). Taninos e saponinas. Seminário apresentado junto à disciplina Seminários Aplicados do Programa de Pós-Graduação–Universidade Federal de Góias, Goiânia.
26. Coutinho, Marcela A. S.; Muzitano, Michele F.; Costa, Sônia S. Flavonoides: Potenciais Agentes Terapêuticos para o Processo Inflamatório. Rev. Virtual Quim., 2009, 1 (3), 241-256. Data de publicação na Web: 26 de Junho de 2009.
27. Fernanda de Queiroz Siqueira, C. (2011). Teores de tatinos e flavonóides em plantas medicinais da caatinga: avaliando estratégias de bioprospecção (Master's thesis, Universidade Federal de Pernambuco).
28. Monteiro, J. M., Lins Neto, E. D. F., Amorim, E. D., Strattmann, R. R., Araújo, E. L., & Albuquerque, U. D. (2005). Teor de taninos em três espécies medicinais arbóreas simpátricas da caatinga. Revista Árvore, 29(6), 999-1005.
29. Castejon, F. V. (2011). Taninos e saponinas. Seminário apresentado junto à disciplina Seminários Aplicados do Programa de Pós-Graduação–Universidade Federal de Góias, Goiânia.
30. Fehlberg, I. (2013). Terpenos e fenilpropanoides de Myrcia guianesis (Myrtaceae). 2013
31. Oliveira, M., Barreto, A., Júnior, L. Q., & Guimarães, A. (2014). Aplicação de terpenos como agentes analgésicos: uma prospecção tecnológica. Revista GEINTEC-Gestão, Fehlberg, I. (2013). Terpenos e fenilpropanoides de Myrcia guianesis (Myrtaceae). 2013Inovação e Tecnologias, 4(4), 1292-1298.
32. Hiruma-Lima, C.A.; Gracioso, J.S.; Rodriguez, J.A.; Haun, M.; Nunes, D.S. & Souza-Brito, A.R.M. 2000. GastroprotectiveEffectofEssentialOilfromCrotoncajucaraBenth. (Euphorbiaceae) JournalofEthnopharmacology 69(3): 229-234.
Publicado
2019-10-16
Como Citar
1.
Filho JLAF, Modesto KR. Alcaçuz e espinheira-santa no tratamento de gastrite. Rev Inic Cient Ext [Internet]. 16º de outubro de 2019 [citado 12º de novembro de 2019];2(Esp.2):268-73. Disponível em: https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/274