Principais Causas de Mortalidade Infantil na Região do Entorno Sul do Distrito Federal

  • Antônio José Batista Vieira
  • Ani Cátia Giotto
Palavras-chave: Mortalidade Infantil, Estatísticas Vitais, Sistemas de Informação em Saúde

Resumo

O presente estudo buscou identificar as principais causas de mortalidade infantil nos municípios goianos que compõem a região do entorno sul do Distrito Federal entre os anos de 1996 e 2017. O artigo foi resultado de um estudo observacional ecológico com análise qualitativa e quantitativa dos dados, trata-se de pesquisa de dados coletados nas bases públicas governamentais e de livre acesso como o Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos, o Sistema de Informações sobre Mortalidade e a página do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. As principais causas de mortalidade infantil de acordo com a Classificação Internacional Estatística das Doenças foram as afecções originadas no período perinatal com 2027 óbitos, Malformações congênitas com 864 óbitos, Achados anormais de exames clínicos com 243 óbitos, Doenças infecciosas e parasitárias com 208 óbitos e Doenças do aparelho respiratório com 180 óbitos. A principal causa de mortalidade infantil na região do entorno entre 1996 e 2017 foi relacionada com afecções originadas no período perinatal, correspondendo a mais da metade dos óbitos. O presente estudo poderá servir como ferramenta para direcionar ações de combate ao óbito infantil na região, fornecendo um panorama completo da composição deste tipo de mortalidade.

Referências

1.United Nations Organization. United Nations Department of Economic and Social Affairs: Inter- agency Group for Children Mortality Estimation (UN-IGME). Levels and Trends in Child Mortality Report 2015.
2.Brasil. Secretaria Geral da Presidência da República. Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Caderno de Destaques. O Brasil e os ODM. Brasília; [Internet]. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2019.
3.Oliveira CM, Bonfim CV, Guimarães MJB, Frias PG, Medeiros ZM. Mortalidade infantil: tendência temporal e contribuição da vigilância do óbito [Internet]. Acta Paul Enferm. 2016; 29(3):282-90. [Citado 2019 abr. 23]. Disponível em: .
4.Brasil. Ministério do Planejamento. Secretaria de Desenvolvimento da Infraestrutura (SDI). Programa de Aceleração do Crescimento. 7º Balanço do PAC 2015 – 2018. [Internet]. Disponível em: . Acesso em: 25 abr. 2019.
5.França EB, Lansky S, Rego MAS, Malta DC, França JS, Teixeira R, et al. Principais causas da mortalidade na infância no Brasil, em 1990 e 2015: estimativas do estudo de Carga Global de Doença. Rev Bras Epidemiol. MAIO 2017; 20 SUPPL 1: 46-60. [Internet]. [Citado 2019 mai. 15]; Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v20s1/1980-5497-rbepid-20-s1-00046.pdf
6.Brasil. Ministério da Saúde. Manual de Vigilância do óbito infantil e fetal e do comitê de prevenção do óbito infantil e fetal. 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.
7.Lansky S, Friche AAL, Silva AAM, Campos D, Bittencourt SDA, Carvalho ML, et al. Pesquisa Nascer no Brasil: perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à gestante e ao recém-nascido. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 30 Sup: S192-S207, 2014. [Internet]. [Citado 2019, mai. 15]. Disponível em:
8.Martinelli KG, Santos Neto ET, Gama SG, Oliveira AE. Adequação do processo da assistência pré-natal segundo os critérios do Programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento (PHPN) e Rede Cegonha. Rev Bras Ginecol Obstet. 2014; 36 (2): 56-64. [Internet]. [Citado 2019, Jun. 05]. Disponível em:
9.Lima JC, Mingarelli AM, Segri NJ, Zavala AAZ, Takano AO. Estudo de base populacional sobre mortalidade infantil. [Internet]. Ciênc. saúde coletiva. 2017; 22 (3): 931-9. [Citado 2019 mai. 15]; Disponível em: .
10.Queiroz EP. A formação histórica da região do Distrito Federal e entorno: dos municípios-genêse à presente configuração territorial. Brasília. 2007. Dissertação (Mestrado em Geografia)-Universidade de Brasília; 2007. [Internet]. Disponível em: . Acesso 02 Abr 2019.
11.Brasil. Ministério do Planejamento. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Goiás; 2017. [Internet]. Disponível em: . Acesso em: 30 Abr. 2019.
12.Migoto MT, Oliveira RP, Silva AMR, Freire MHS. Mortalidade neonatal precoce e fatores de risco: estudo caso-controle no Paraná. Revista Brasileira de Enfermagem. [Internet]. 2018; 71 (5): 2675-83. [Citado 2019 jun. 24]. Disponível em:
13.Teophilo RL, Rattner D, Pereira LE. Vulnerabilidade de mulheres negras na atenção ao pré-natal e ao parto no SUS: análise da pesquisa da Ouvidoria Ativa. Ciência & Saúde Coletiva, 23(11):3505-3516, 2018. [Citado 2019 set. 12]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v23n11/1413-8123-csc-23-11-3505.pdf
14.Haidar FH, Oliveira UF, Nascimento LFC. Escolaridade materna: correlação com os indicadores obstétricos. Cad. Saúde Pública. Rio de Janeiro, jul-ago; 2001. 17(4): 1025-1029. [Internet]. [Citado 2019 jun. 24]. Disponível em:
15.Ferreira RA, Ferriani MGC, Mello DF, Carvalho IP, Cano MA, Oliveira LA. Análise espacial da vulnerabilidade social da gravidez na adolescência. Cad. Saúde Pública. Rio de Janeiro, fev; 2012. 28 (2): 313-323. [Internet]. [Citado 2019 jun. 26]. Disponível em:
16.Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção à saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde. 2. ed. atual. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. [Internet]. Disponível em: . Acesso em: 27 jun. 2019.
17.Capelli JCS, Pontes JS, Pereira SEA, Silva AAM, Carmo CN, Boccolini CS, et al. Peso ao nascer e fatores associados ao período pré-natal: um estudo transversal em hospital maternidade de referência. Ciência & Saúde Coletiva; 2014. 19 (7): 2063-2072. [Internet]. [Citado 2019 jul. 02]. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/csc/v19n7/1413-8123-csc-19-07-02063.pdf>
18.Leão MRC, Riesco MLG, Schneck CA, Angelo M. Reflexões sobre o excesso de cesarianas no Brasil e a autonomia das mulheres. Ciência & Saúde Coletiva, 18 (8): 2395-2400; 2013. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000800024.
19.Pereira RC, Figueiroa MN, Barreto IC, Cabral LNC, Lemos MLC, Marques VLLR. Perfil epidemiológico sobre mortalidade perinatal e evitabilidade. Revista de Enferm. UFPE on line. [Internet]. [Citado 2019 ago. 03]. Recife, maio; 2016. 10 (5): 1763-72.
20.Organización Mundial de la Salud. Resumen de orientacion 2018. Recomendaciones de la OMS: para los cuidados durante el parto, para una experiencia de parto positiva (Recomendações da OMS para os cuidados durante o parto, para uma experiência de parto positiva). [Internet]. Disponível em: . Acesso em: 03 jul. 2019.
Publicado
2019-10-17
Como Citar
1.
Vieira AJB, Giotto AC. Principais Causas de Mortalidade Infantil na Região do Entorno Sul do Distrito Federal. Rev Inic Cient Ext [Internet]. 17º de outubro de 2019 [citado 12º de novembro de 2019];2(Esp.2):258-67. Disponível em: https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/272

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##