Percepção das gestantes em relação ao atendimento pré-natal de baixo risco realizado pelo enfermeiro

  • Itamara Prates Pereira
  • Ani Cátia Giotto
Palavras-chave: Enfermagem, Cuidado Pré-natal, Gravidas

Resumo

Analisou-se a percepção das gestantes em relação ao atendimento pré-natal de baixo risco realizado em Unidades Básicas de Saúde do Município de Valparaíso de Goiás - Goiás. Estudo transversal com análise qualitativa e quantitativa. A pesquisa de campo foi realizada durante o mês de abril do ano de 2019. Das gestantes entrevistadas, 97,5% classificaram o atendimento com ótimo ou bom. Todas as gestantes disseram se sentirem acolhidas e à vontade na consulta de enfermagem pré-natal, 92,5% das gestantes conseguiram sanar as suas dúvidas durante a consulta com o enfermeiro. Das entrevistadas, 70% afirmaram considerar a consulta pré-natal com o enfermeiro tão importante quanto à consulta pré-natal com o médico e a totalidade das gestantes afirmam terem comparecido a todas as consultas pré-natais agendadas As gestantes ressaltaram pontos positivos e negativos relacionados ao atendimento pré-natal realizado pelo enfermeiro, um ponto positivo é a relação espontânea e acolhedora percebida pela maioria das gestantes e um dos pontos negativos mais ressaltados é o tempo de espera prolongado para realização das consultas.

Referências

1. Matos DS, Rodrigues MS, Rodrigues TS. Atuação do enfermeiro na assistência ao pré-natal de baixo risco na estratégia saúde da família em um município de Minas Gerais. Enfermagem Revis. 2013; 16(1):18-33. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/enfermagemrevista/article/view/12937. Acesso em: 10 abr 2019.
2. Conselho Federal de Enfermagem. Resolução n° 516 de 24 de junho de 2016. Normatizar a atuação e a responsabilidade do Enfermeiro, Enfermeiro Obstetra e Obstetriz na assistência às gestantes, parturientes, puérperas e recém-nascidos nos Serviços de Obstetrícia, Centros de Parto Normal e/ou Casas de Parto e demais locais onde ocorra essa assistência e estabelecer critérios para registro de títulos de Enfermeiro Obstetra e Obstetriz no âmbito do Sistema Cofen/Conselhos Regionais de Enfermagem. Brasília ; 2016 Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-05162016_41989.html. Acesso em: 10 abr 2019.
3. Brasil. Lei n° 7.498, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da Enfermagem e dá outras providências. Brasília; 1986. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L7498.htm. Acesso em: 10 abr 2019.
4. Brasil, Decreto n° 94406/87, de 8 de junho de 1987. Regulamenta a Lei n° 7498/86 que dispõe sobre o exercício da enfermagem e dá outras providências. Brasília, 1987. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/decreto-n-9440687_4173.html. Acesso em : 15 jun 2019.
5. Assunção CS, Rizzo ER, Santos ME, Basílio MD, Messias CM, Carvalho JB. O Enfermeiro no Pré-Natal: Expectativas de Gestantes. Rev Fund Care. 2019; 11(3):576-81. Doi: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2019.v11i3.576-581
6. Jardim MJA, Silva AA, Fonseca LMB. Contribuições do enfermeiro no pré-natal para a conquista do empoderamento da gestante. Rev Pesqui Cuid Fundam Online. 2019; 11(2, n. esp):432-40. Doi: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2019.v11i2.432-440
7. Brasil. Universidade Federal do Maranhão, UNA-SUS/UFMA. Redes de atenção à saúde: a Rede Cegonha. Consuelo Penha Castro Marques. São Luís: EDUFMA; 2016.
8. Brasil. Ministério da Saúde. Gravidez, parto e nascimento com saúde, qualidade de vida e bem-estar. Brasília: Ministério da Saúde; 2013. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/gravidez_parto_nascimento_saude_qualidade.pdf. Acesso em: 16 abr 2019.
9. Brasil. Ministério da Saúde. Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada. 3ª edição, Brasília: Ministério da Saúde; 2006. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_pre_natal_puerperio_3ed.pdf Acesso em: 2 mai 2019.
10. Guerreiro EM, Rodrigues DP, Silveira MAM, Lucena NBF. O cuidado pré-natal na atenção básica de saúde sob o olhar de gestantes e enfermeiros. Rev Min Enferm. 2012; 16(3): 315- 323. Doi: http://www.dx.doi.org/S1415-27622012000300002
11. Oliveira BCD, Brito SS, Giotto AC. Percepção das gestantes sobre o pré-natal. Rev Inic Cient Ext. 2018; 1(2):96-104. Disponível em: https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/57. Acesso em: 19 mai 2019.
12. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: Princípios e Diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde; 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_mulher_principios_diretrizes.pdf. Acesso em: 19 mai 2019.
13. Silva ME, Maraschin M. Atendimento às Gestantes em Unidades Básicas de Saúde em Cascavel/PR. In: Anais do VI Seminário Nacional Estado e Políticas Sociais, II Seminário de Direitos Humanos, Capitalismo contemporâneo na América Latina: políticas sociais universais; 2014 set, 15-18; Paraná, Brasil. Disponível em: http://cac-php.unioeste.br/eventos/Anais/servico-social/anais/TC_ATEND_GESTANTES_UBSs_CASCAVEL_PR.pdf. Acesso em: 20 jul 2019.
14. Gonçalves MF, Teixeira EMB, Silva MAS, Corsi NM, Ferrari RAP, Pelloso SM, et al. Pre-natal: preparo para o parto na atenção primária a saúde no sul do Brasil. Rev Gaucha Enferm. 2017; 38(3):2016-0063. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2017.03.2016-0063.16
15. Brasil. Ministério da Saúde. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Ministério da Saúde; 2013. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_32.pdf. Acesso em: 16 abr 2019.
16. Montenegro CAB, Filho JR. Rezende Obstetrícia Fundamental. 14ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2014.
17. Oliveira RG. Blackbook – Enfermagem. Belo Horizonte: Blackbook Editora; 2016.
18. Brasil. Secretaria de Estado da Saúde do Distrito Federal. Guia de Enfermagem da Atenção Primária à Saúde do Distrito Federal. Brasília: Subsecretaria de Atenção Integral à Saúde; 2017. Disponível em: http://www.saude.df.gov.br/wp-conteudo/uploads/2018/04/Guia-de-Enfermagem-na-Aten%C3%A7%C3%A3o-Prim%C3%A1ria-%C3%A0-Sa%C3%BAde.pdf Acessado em: 19 mai 2019.
19. Lampert L, Bavaresco CS. Atendimento odontológico à gestante na atenção primária. RSC. 2017; 6 (1):81–95. Disponível em: http://150.165.111.246/revistasaudeeciencia/index.php/RSC-UFCG/article/view/421. Acessado em: 19 mai 2019.
20. Yamashita JM, Moura-Grec PGD, Capelari MM, Sales-Peres A, Sales-Peres SHDC. Manifestações bucais em pacientes portadores de Diabetes Mellitus: uma revisão sistemática. Rev de Odontol da UNESP. 2013; 42(3): 211-20. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1807-25772013000300011
21. Neto S, Oliveira AE, Zandonade E, Leal MDC. Acesso à assistência odontológica no acompanhamento pré-natal. Ciên & Saúde Colet. 2012; 17: 3057-3068. Disponível em: https://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S1413-81232012001100022&script=sci_arttext&tlng=en. Acesso em: 20 jul 2019.
22. Vasconcelos RG, Vasconcelos MG, Mafra RP, Júnior LCA, Queiroz LMG, Barboza CAG. Atendimento odontológico a pacientes gestantes: como proceder com segurança. Rev Bras de Odontol. 2012; 69(1):120. Doi: http://dx.doi.org/10.18363/rbo.v69n1.p.120
23. Organização Mundial da Saúde. Diretriz: Suplementação diária de ferro e ácido fólico em gestantes. Genebra: Organização Mundial da Saúde; 2013. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/documentos/guia_gestantes.pdf. Acesso em: 19 mai 2019.
24. Paixão GPN, Sena CD, Santos TCS, Gomes NP, Carvalho MRS. A importância do uso do ácido fólico e sulfato ferroso em mulheres no planejamento familiar e ciclo gravídico–puerperal: revisão integrativa da literatura. Rev APS. 2012; 15(2): 214-9. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/aps/article/view/14926. Acesso em: 20 jul 2019.
25. Ruschi GEC, Zandonade E, Miranda AE, Antônio FF. Determinantes da qualidade do pré-natal na Atenção Básica: o papel do Apoio Matricial em Saúde da Mulher. Cad Saúde Colet. 2018; 26(2):131-9. Doi: 10.1590/1414-462X201800020229
26. Huçulak MC, Peterlini OLG. Rede Mãe Paranaense–relato de experiência. Rev. Espaço para Saúde. 2014; 15(1):77-86. Disponível em: file:///C:/Users/Positivo%20I/Documents/FACESA/SEJA%20FORTE%20(TCC)/AGORA%20AI%20-%20ARTIGOS/REF%20ap%C3%B3s%2012-04/DISCUSS%C3%83O/parana%202014.pdf. Acesso em: 20 jul 2019.
27. VIII - Ortigara EPF, Barros Carvalho MDB. Pelloso SM. Percepção da assistência pré-natal de usuárias do serviço público de saúde. Rev Enferm UFSM. 2015; 5(4):z618-627. Doi: 10.5902/2179769213230
28. Brasil. Ministério da Saúde. Humanização do parto e do nascimento. Universidade Estadual do Ceará: Brasília: Ministério da Saúde; 2014. Disponível em: . Acesso em: 19 mai 2019.
29. Cardoso MD, Ribeiro CMS, Oliveira IB, Andrade PMC, Santos TMB. Percepção de gestantes sobre a organização do serviço/assistência em um pré-natal de baixo risco de Recife. Rev Fund Care. 2016; 8(4):5017-5024. Doi: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2016.v8i4.5017-5024
30. Silva MZND, Andrade ABD, Bosi MLM. Acesso e acolhimento no cuidado pré-natal à luz de experiências de gestantes na Atenção Básica. Saúde em Debate. 2014; 38:805-816. Doi: https://doi.org/10.5935/0103-1104.20140073
31. Silva CDS, Souza KVD, Alves VH, Cabrita BAC, Silva LRD. Atuação do enfermeiro na consulta pré-natal: limites e potencialidades. Rev. pesqui. cuid. fundam. 2016; 8(2):4087-4098. Doi: 10.9789/2175-5361.2016.v8i2.4087-4098
32. Rocha AC, Andrade GS. Atenção da equipe de enfermagem durante o pré-natal: percepção das gestantes atendidas na Rede Básica de Itapuranga–GO em diferentes contextos sociais. Rev Enfer Contempor. 2017; 6(1):30-41. Doi: 10.17267/2317-3378rec.v6i1.1153
33. Perinatal. Manual de Perinatologia / Perinatal. Rio de Janeiro: julho, 2012.
34. Brasil. Ministério da Saúde. Protocolos da Atenção Básica: Saúde das Mulheres. Brasília: Ministério da Saúde, Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa; 2016. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/protocolo_saude_mulher.pdf. Acesso em: 19 mai 2019.
Publicado
2019-10-11
Como Citar
1.
Pereira IP, Giotto AC. Percepção das gestantes em relação ao atendimento pré-natal de baixo risco realizado pelo enfermeiro. Rev Inic Cient Ext [Internet]. 11º de outubro de 2019 [citado 12º de novembro de 2019];2(Esp.2):250-7. Disponível em: https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/271