O enfermeiro frente ao processo de resiliêcia do paciente em tratamento hemodialítico

  • Neuma Francisca Oliveira de Vasconcelos
  • Erci Gaspar da Silva
Palavras-chave: Paciente renal crônico, Paciente renal crônico, Profissional de enfermagem, Profissional de enfermagem, Tratamento Hemodialítico, Tratamento Hemodialítico, Resiliência, Resiliência

Resumo

O tratamento hemodialítico gera impacto e mudanças significativas no modo de viver do pacien-te renal crônico, sendo muitas vezes difícil o enfrentamento dessa etapa em sua vida. Como o enfermeiro está perto de toda essa mudança cabe a ele auxiliar o renal crônico no processo de resiliência, atuando como educador e facilitador no processo terapêutico estando apto pronta-mente a intervir e assim evitar potenciais intercorrências. A busca pela literatura ocorreu na Bi-blioteca Virtual em Saúde (BVS), nos meses de junho de 2018 e setembro de 2018. As bases de dados de literatura científica e técnica consultadas foram: Literatura Latino-Americana e de Cari-be em Ciências da Saúde (LILACS) e Scientific Electronic Library Online (SciELO). Os descri-tores foram selecionados a partir da terminologia em saúde consultada nos Descritores em Ciên-cias da Saúde (DECS-BIREME). O objetivo deste estudo é discriminar a atuação do enfermeiro no processo de resiliência do paciente renal crônico em tratamento hemodialítico, ressaltando o papel do enfermeiro  como principal agente do processo de resiliência do paciente em tratamento hemodialítico, oferecendo maneiras de compreensão sobre a doença, a fim de que o paciente renal crônico desenvolva auto responsabilidade, mudança de comportamento em relação ao seu estilo de vida e produção de esperança e perseverança que promovam a sua adaptação ao trata-mento hemodialítico.

Referências

Sociedade Brasileira de Nefrologia. Editor do Portal: Dr. Alexandre Silvestre Cabral. Copyright 2015. www.cbn.org.br/público/insuficiência-renal. Acesso em 05 de janeiro de 2017.

Rodrigues TA, Botti NCL. Cuidar e o ser cuidado na hemodiálise. Acta Paul Enferm.20012;22(Especial-Nefrologia):528-30.

Perso P. Hemodiálise. Disponível em: Revista Eletrônica da Faculdade Evangélica do Paraná, v.2, n.1, p.2-10 jan/mar.2012. Acesso em 05 de janeiro de 2017.

Fermi MRV. Diálise para Enfermagem: Guia Prático. 2ª. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan;2010. Disponível em: www.scielo.br. Acesso em 02 de dezembro de 2017.

Paim L, Silva DGVS, Trentini M, Vieira RM, Koschnik Z. Tecnologias e cuidado de enfermagem a pessoas em tratamento de hemodiálise. 2006. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/viewFile/5051/3256. Acesso em 02 de dezembro de 2017.

Carreira L, Marcon SS. Cotidiano e trabalho: Concepções de indivíduos portadores de insuficiência renal crônica e seus familiares. Revista Latino Americana de Enfermagem. 2003 nov./dez.; 12 (6): 823-31.

Pinheiro DPN. A resiliência em discussão. Psicologia em Estudo. 2002; 1(9): 67-75. Disponível em: www.scielo.br. Acesso em 02 de dezembro de 2017.

Tavares JA. Resiliência na sociedade emergente. In: Tavares J, Yunes MAM, Szymanski H, Pereira MAS, Simões HR, Castro MACD. Resiliência e educação. 2.ed. São Paulo: Cortez; 2001. p. 43– 75.

SANTOS, Paulo Roberto. Mudanças do nível de qualidade de vida em portadores de insuficiência renal crônica terminal durante seguimento de 12 meses. Rio de Janeiro, 2008. Disponível em: www.scielo.br. Acesso em 05 de janeiro de 2017.

Dr. Luiz Felipe Santos Gonçalves. Insuficiência Renal Crônica. Data de Publicação: 01/06/2009 - Revisão: 05/01/2010. Código do Conteúdo: Artigo 700. Disponível em: http://www.abcdasaude.com.br/nefrologia/insuficiencia-renal-cronica. Acesso em 05 de janeiro de 2017.

Terra FS, Costa AMDD, Costa RD, Costa MD. Os sentimentos apresentados pelos renais crônicos durante a permanência na clínica de hemodiálise. Revista Enfermagem Atual. 2008. jul/ago; 46(7): 14-21.

Lima AFC, Gualda DMR. Reflexão sobre a qualidade de vida do cliente renal crônico submetido à hemodiálise. Nursing–Revista Técnica de Enfermagem. 2000 nov; 3(30): 20-3. Copyright 2015. Disponível em: www.cbn.org.br/público/insuficiência-renal. Acesso em 05 de janeiro de 2017.

Silva HG, Silva MJ. Motivações do paciente renal para a escolha a diálise peritoneal ambulatorial contínua. Revista Eletrônica de Enfermagem. 2003 5(1); 10–4.

Trentine M, Corradi EM Arraldi MAR, Tigrinho FC. Qualidade de vida de pessoas dependentes de hemodiálise considerando alguns aspectos físicos, sociais e emocionais. Revista Texto e Contexto em Enfermagem. 2004 jan. /Mar; 13(1): 74-82.

Paim L, Silva DGVS, Trentini M, Vieira RM, Koschnik Z. Tecnologias e cuidado de enfermagem a pessoas em tratamento de hemodiálise. 2006. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/viewFile/5051/3256. Acesso em 23 setembro 2017.

Puntillo KA, Schell HM. Segredos em enfermagem na terapia intensiva: respostas necessárias aodia-a-dia nas unidades. Porto Alegre: Artmed; 2005.

Böell JEW, Silva DMGV, Hegadoren KM. Sociodemographic factors and health conditions associated with the resilience of people with chronic diseases: a cross sectional study. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2016; 24: e2786. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692016000100408. Acesso em 05 de janeiro de 2017.

Slomka L. Associação entre o nível de resiliência e o estado clínico de pacientes renais crônicos em hemodiálise. Barbarói.2011.34:23-37. Disponível em: http://online.unisc.br/ seer/índex.php/barbaroi/article/viewFile/1205/ 1570. Acesso em 05 de janeiro de 2017.

Bianchini DCS, Dell’aglio DD. Processos de resiliência no contexto de hospitalização: um estudo de caso. Paidéia. [Internet]. 2006. 16(35): 427- 36. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/paideia/ v16n35/v16n35a13.pdf. Acesso em 05 de janeiro de 2017.

Tavares JA. Resiliência na sociedade emergente. In: Tavares J, Yunes MAM, Szymanski H, PereiraMAS, Simões HR, Castro MACD. Resiliência e educação. 2. Ed. São Paulo: Cortez; 2001. P. 43–75. Acesso em 31 de outubro 2017.

Sória DAC, Bittencourt AR, Menezes MFB, Sousa CAC, Souza SR. Resiliência na área da Enfermagem em Oncologia. Acta paul. enferm. 2009; 22(5): 702-6. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21002009000500017. Acesso em 31 de outubro 2017.

Yunes MAM, Szymanski H. In: Tavares J, Yunes MAM, Szymanski H, Pereira, MAS, Simões HR, Castro MACD. Resiliência: noção, conceitos afins e considerações críticas. eds. Resiliência eeducação. 2. Ed. São Paulo: Cortez. 2001. 13-42.

Cardoso LB, Sade PMC. O enfermeiro frente ao processo de resiliência do paciente em tratamento hemodialítico. Rev. Eletr. Faculdade Evangélica do Paraná. [Internet]. 2012.2(1):2-10. Disponível em: http://www.fepar. Edu. br/revistaeletronica/índex.php/revfepar/article/ view/35/45. 16. Halen NV, Cukor D, Constantiner M, Kimmel P. Acesso em 05 de janeiro de 2017.

Coutinho NOS, Tavares MCHT. Atenção ao paciente renal crônico, em hemodiálise, sob a ótica do usuário. CAD Saúde Coletiva. [Internet]. 2011. 19(2): 232-9. Disponível em: http://iesc.ufrj.br/cadernos/imagens/csc/2011_2/artigos/csc_v19n2_232- 239.pdf. Acesso em 05 de janeiro de 2017.

Terra FS, Costa AMDD, Ribeiro CCS, Nogueira CS, Prado JP, Costa MD, et al. O portador de insuficiência renal crônica e sua dependência ao tratamento hemodialítico: compreensão fenomenológica. Rev.BrasClin Med. [Internet]. 2010. 8(4):306-10. Disponível em: http://files.bvs.br/ upload/S/1679 1010/2010/v8n4/a003.pdf. Acesso em 05 de janeiro de 2017.

Publicado
2019-08-19
Como Citar
1.
Vasconcelos NFO de, Silva EG da. O enfermeiro frente ao processo de resiliêcia do paciente em tratamento hemodialítico. Rev Inic Cient Ext [Internet]. 19º de agosto de 2019 [citado 15º de dezembro de 2019];2(4):228-34. Disponível em: https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/262