Assistência da enfermagem à mulher no climatério na atenção básica de saúde

  • Antônio de Almeida Costa Melo
  • Elania Pereira da Cruz Silva
  • Ani Cátia Giotto
Palavras-chave: Atenção básica, Enfermagem, Climatério

Resumo

Objetiva-se as ações de enfermagem na atenção básica para auxiliar a mulher que vivencia o climatério, demostrando a importância da promoção de saúde, através da consulta de enfermagem e conhecer as estratégias utilizadas a cerca da atenção às mulheres no período do climatério. Revisão bibliográfica, realizada na Lilacs, Scielo e Pubmed, sendo considerados artigos publicados entre 2014 e 2019, em português e disponíveis na íntegra abordando o climatério feminino. Artigos em língua estrangeira e referente ao climatério masculino foram excluídos da análise, assim como monografia, dissertações e teses. A assistência da enfermagem na atenção básica é um sistema complexo e relevante no âmbito do gerenciamento dos sistemas e serviços de saúde, por contemplar insumos básicos para cuidados aos pacientes e pelos altos custos envolvidos. São limitados os incentivos aos profissionais para aprender sob atendimento em climatério e capacitação aos funcionários das unidades. A assistência realizada em face da mulher no climatério na atenção básica de saúde contém particularidades das quais se faz necessária o conhecimento especializado, a legitimidade e o reconhecimento das pacientes para com os enfermeiros.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual de atenção à mulher no Climatério / Menopausa. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2008. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/m anual_climaterio.pdf>.

Vidal CRPM, Miranda KCL, Pinheiro PNC, Rodrigues DP. Mulher climatérica: uma proposta de cuidado clínico de enfermagem baseada em ideias freireanas. Rev. bras. enferm. 2012; 65(4):680-84.

- Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Estimativas 2010: incidência de câncer no Brasil. 2010 [citado 2010 abr 1]. Disponível em: <http://www.inca.gov.br.>.

Rocha Diógenes, MA, Gomes Linard, A, Araujo Bastos Teixeira, C. Comunicação, Acolhimento e Educação em enfermagem na consulta de enfermagem em ginecologia. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste. 2010;11(4):38-46.

Lorenzi DRS, Catan LB, Moreira K, Ártico GR. Assistência à mulher climatérica: novos paradigmas. Rev. bras. enferm. 2009; 62(2):287-93.

Crispim JEB, Barreto EF, Nogueira WBAG, Almeida SA. Assistência de enfermagem à mulher lésbica e bissexual na atenção básica: protocolo de atendimento. Rev. pesqui. cuid. Fundam. 2018; 10(esp 3): 34-9.

Oliveira ZM, Vargens OMC, Acioli S, Santos RS. Cuidado de enfermagem no climatério: perspectiva desmedicalizadora na atenção primária de saúde / Nursing care in the climateric: demedicalizing perspective in primary health care Rev. enferm. UFPE on line; 11(supl.2): 1032-1043, fev.2017.

Duarte SJH, Ferreira SF, Santos NC. Desafios de enfermeiros da Estratégia Saúde da Família na implantação do Programa Saúde do Adolescente. Rev Eletr Enferm. [Internet]. 2013 [Acesso 16 mar 2015];15(2):479-86. Disponível em: http://www.fen. ufg.br/fen_revista/v15/n2/pdf/v15n2a22.pdf

Ermel RC, Fracolli LA. O trabalho das enfermeiras no Programa de Saúde da Família em Marília/SP. Rev Esc Enferm USP. 2006;40(4):533-9.

Fernandes LTB, Abreu SS, Romão TA, Araújo EMNF, Costa MBS. Atuação do Enfermeiro no Gerenciamento do Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher. Rev. bras. ciênc. Saúde. 2016; 20(3): 219-26.

Silva SB, Nery IS, Carvalho AMC. Representações sociais elaboradas por enfermeiras acerca da assistência à mulher climatérica na atenção primária. Rev. RENE. 2016; 17(3): 363-71.

Saltz E. Fichário clínico terapêutico. São Paulo: Mason do Brasil; 1986.

Halbe HW. Tratado de ginecologia. São Paulo: Roca; 1987.

Paulo CLR, Grant WH. Climatério: tempo de mudança [Tese]. Instituto de psicologia: Universidade de São Paulo; 1990.

Rocha LP, Cezar-Vaz MR, Cardoso LS, Almeida MCV. Processos grupais na estratégia saúde da família: um estudo a partir da percepção das enfermeiras. Rev Enferm UERJ, 2010;18(2):210-5.

Aldrighi JM, Aldrighi CMS, Aldrighi APS. Alterações sistêmicas do climatério. Rev Bras Med 2002; 59(4): 15-2.

Oliveira RG, Marcon SS. Trabalhar com famílias no Programa de Saúde da Família: a prática do enfermeiro em Maringá-Paraná. Rev Esc Enferm USP. 2007;41(1):65-72.

Dias GAR, Lopes MMB. Artigo original educação e saúde no cotidiano de enfermeiras da atenção primária. Rev Enferm UFSM. 2013;3(3):449-60.

Weirich CF, Munari DB, Mishima SM, Bezerra ALQ. O trabalho gerencial do enfermeiro na rede básica de saúde. Texto Contexto Enferm. 2009;18(2):249-57.

Nascimento MS, Nascimento MAA. Prática da enfermeira no Programa de Saúde da Família: a interface da vigilância da saúde versus as ações programáticas em saúde. Ciênc. saúde coletiva. 2005;10(2):333-45.

Lionello CDL, Duro CLM, Silva AM, Witt RR. O fazer das enfermeiras da estratégia de saúde da família na atenção domiciliária. Rev Gaúcha Enferm. 2012;33(4):103-10.

Moutinho CB, Almeida ER, Leite MTS, Vieira MA. Dificuldades, desafios e superações sobre educação em saúde na visão de enfermeiros de saúde da família. Trab Educ Saúde. 2014,12(2):253-72.

Aldrighi JM, Aldrighi CMS, Aldrighi APS. Alterações sistêmicas do climatério. Rev Bras Med 2002; 59(4): 15-2.

Publicado
2019-08-19
Como Citar
1.
Melo A de AC, Silva EP da C, Giotto AC. Assistência da enfermagem à mulher no climatério na atenção básica de saúde. Rev Inic Cient Ext [Internet]. 19º de agosto de 2019 [citado 19º de novembro de 2019];2(4):213-8. Disponível em: https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/260

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##