Comorbidades psiquiátricas desenvolvidas mais frequentemente aos dependentes químicos – revisão bibliográfica

  • Mônica dos Santos Silva
  • Mariângela Pereira de Souza
  • Francisca Bezerra Chaves
  • Elizabeth Meireles
  • Rafael de Oliveira Cardoso
Palavras-chave: Dependência Química, Comorbidades, Transtornos Mentais, Transtornos de Humor, Transtornos Psicóticos

Resumo

A dependência química surge paralela a história humanidade, sendo utilizada pelos indivíduos de diversas maneiras (rituais religiosos, comemorativos, medicinais), em alguns momentos fazendo usos indiscriminados de drogas lícitas e ilícitas, chegando a um padrão abusivo. Atualmente a dependência química tem adquirido proporções epidêmicas, passando a ser considerada um problema de saúde pública. Consiste em uma doença crônica e recorrente de origem multifatorial e complexa. Considerada um transtorno mental, causador de prejuízos sociais, laborais, familiares, pessoais e cognitivos. Mediante isso, o objetivo do presente trabalho consiste na realização de uma revisão bibliográfica com o intuito de evidenciar quais transtornos mentais aparecem com maior frequência em comorbidade com a dependência química. Os resultados evidenciaram uma maior prevalência de transtornos de humor (depressão, ansiedade e transtorno bipolar) e transtornos psicóticos (esquizofrenia e transtorno de personalidade) em dependentes químicos. Conclui-se que a dependência química em comorbidade a outro transtorno mental apresenta um prognóstico impreciso, não podendo estabelecer uma relação causal. No entanto, observou-se a intensa necessidade de ações mais individualizadas para o tratamento das patologias associadas.

Referências

Conselho Regional de Psicologia da 6ª Região (org). Álcool e Outras Drogas. São Paulo, CRPSP, 2011. Disponível em: < http://crpsp.org/fotos/pdf-2015-10-02-17-16-04.pdf >. Acesso em 15 de dezembro de 2018.

Sbp DA. Uso e abuso de álcool na adolescência. Adolesc. Saúde. 2007;. 4(3); 6-17.

Caballo VE. Manual para a avaliação clínica dos transtornos psicológicos: transtornos da idade adulta e relatórios psicológicos. São Paulo: Santos: 2016.

Chaim CH, Bandeira KBP, Andrade AG. Fisiopatologia da Dependência Química. 2015. Rev. Med. 2015; 94(4): 256-62.

Amaral OL. Transtornos Mentais. 2018. Disponível em: < http://www.inef.com.br/Transtornos.html>. Acesso em 05 de fevereiro de 2019.

Cordiolli, A. V. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais [recurso eletrônico]: DSM -5, 5.ed. Porto Alegre: Artmed: 2014.

Capistrano FC, Ferreira ACZ, Maftum MA, Kalinke LP, Mantovani MF. Impacto Social do uso abusivo de drogas para dependentes químicos registrados em prontuários. Cogitare Enferm. 2013; 18(3): 468-74.

Del Porto JA. Conceito e diagnóstico. Revista Brasileira de Psiquiatria, 1999; 21.

Guimarães AMV, Neto ACS, Vilar ATS, Almeida BGC, Albuquerque CMF, Fermoseli AFO. Transtornos de Ansiedade: um estudo de prevalência sobre as fobias específicas e a importância da ajuda psicológica. Ciências Biologicas e da Saúde. 2015; 3(1): 115-28.

Barlow DH, Beck AT. Manual Clínico dos Transtornos Psicológicos: tratamento passo a passo. 4.ed. Porto Alegre: Artmed; 2009.

Tonelli H, Alvarez CE. Cognição social na esquizofrenia: um enfoque em habilidades teoria da mente. Rev. psiquiatr. Rio Gd. Sul [online]. 2009; 31(3). Acesso em 05 de fevereiro de 2019. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rprs/v31n3s0/v31n3a05s1.pdf>.

Mazer AK, Macedo BBD, Jurena MF. Transtornos de Personalidade. Medicina. 2017; 50: 85-97(1).

Ribeiro M. Organização de serviços para o tratamento da dependência do álcool. Rev. Bras. Psiquiatria; 2004; 26(1): 59-62.

Alves H, Kessler F, Ratto LRC. Comorbidade: uso de álcool e outros transtornos psiquiátricos. Rev. Bras. Psiquiatria. 2004; 26(1): 51-3.

Publicado
2019-08-19
Como Citar
1.
Silva M dos S, Souza MP de, Chaves FB, Meireles E, Cardoso R de O. Comorbidades psiquiátricas desenvolvidas mais frequentemente aos dependentes químicos – revisão bibliográfica. Rev Inic Cient Ext [Internet]. 19º de agosto de 2019 [citado 20º de novembro de 2019];2(4):208-12. Disponível em: https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/257

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##