Assistência de enfermagem no serviço móvel de urgência (SAMU): revisão de literatura

  • Rafael Braga de Almeida1
  • Alice da Cunha Morales Álvares
Palavras-chave: Atendimento Pré-Hospitalar, Enfermeiro, Serviço de Atendimento Móvel de Urgência

Resumo

O objetivo geral deste estudo é abordar as atribuições do enfermeiro no Atendimento Pré-Hospitalar. Os objetivos específicos são apresentar a evolução histórica do serviço de atendimento pré-hospitalar (APH) no Brasil; apontar, conforme a legislação pertinente, como deve ser estruturado o APH, com ênfase nas atribuições do enfermeiro; verificar as dificuldades enfrentadas pelo enfermeiro no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). Trata-se de pesquisa bibliográfica, com busca Biblioteca Virtual de Saúde (BVS) e livros da Biblioteca do Google, entre os anos de 2008 e março de 2018, em língua portuguesa, disponíveis e completos, diretamente relacionados ao tema. Foram utilizados 41 artigos e livros, além de material institucional. Assim, verificou-se que as atribuições do enfermeiro no Atendimento Pré-Hospitalar são de assistência, supervisão e gestão, bem como de colaborador da formação continuada das equipes. As dificuldades passam pelo relacionamento interpessoal, falta de formação adequada, estresse ocupacional, comunicação interna e externa, falta de equipamentos e insumos, baixos salários, falta de sedes próprias, dentre outros. É necessário aprofundar os conhecimentos sobre urgência e emergência na graduação e promover a educação continuada das equipes, bem como proporcionar-lhes melhores condições de trabalho, para que a resolutividade seja ainda maior. O Atendimento Pré-Hospitalar, expresso por meio do SAMU, conta com o reconhecimento da sociedade, que nele encontra apoio e conforto.

Referências

Silva EAC et al. Aspectos históricos da implantação de um serviço de atendimento pré-hospitalar. Rev Eletr Enferm 2010; 12(3):571-77. [acesso em 9 abr 2019]. Disponível em: https://www.fen.ufg.br/fen_revista/ v12/n3/pdf/ v12n3a23.pdf.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 2.048, de 5 de novembro de 2002, aprova o Regulamento Técnico dos Sistemas Estaduais de Urgência e Emergência. [acesso em 9 abr 2019]. Disponível em: http://bvsms.saude. gov.br/bvs/saudelegis/gm/ 2002/prt2048_05_11_2002.html.

Conselho Federal de Enfermagem (BR). Resolução nº 375, de 22 de março de 2011, dispõe sobre a presença do Enfermeiro no Atendimento Pré-Hospitalar e Inter-Hospitalar, em situações de risco conhecido ou desconhecido. [acesso em 9 abr 2019]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-n-375 2011_6500.html.

Gil AC. 2010. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo, Atlas.

Severino AJ. 2018. Metodologia do trabalho científico. 24. ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez.

Silva RA. 2014. O papel do enfermeiro na educação continuada de bombeiros militares que atuam no atendimento pré-hospitalar. Especialização (Linhas de Cuidado em Enfermagem). 21 p. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina.

Píspico A. Atendimento pré-hospitalar. In: Guimarães HP, Lopes RD, Lopes AC. 2010. Tratado de medicina de urgência e emergência: pronto-socorro e UTI. São Paulo: Atheneu, p. 167-176.

Rocha TB. 2013. Vivências do enfermeiro no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência: detalhes de um grande desafio. Dissertação (Saúde e Enfermagem). 91 p. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.

Machado MAS. Importância da segurança na cena. SAMU 192, DF Notícias 2010; 10 jun. [acesso 11 abr 2019]. Disponível em: http://www.samu192df.com.br/samu/divulgacao.jsp?idA tend=00024.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 1.863/GM, de 29 de setembro de 2003, institui a Política Nacional de Atenção às Urgências, a ser implantada em todas as unidades federadas, respeitadas as competências das três esferas de gestão. [acesso 10 abr 2019]. Disponível em: http://www.brasilsus.com.br/index.php?option =com_content&view=article&id=7191.

Ministério da Saúde (BR). 2016. Protocolos de Intervenção para o SAMU 192 - Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde. [acesso 10 abr 2019]. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2016/outubro/ 26/livro-avancado-2016.pdf.

Lima JC, Rivera FJU. Redes de conversação e coordenação de ações de saúde: estudo em um serviço móvel regional de atenção às urgências. Cad Saúde Pública 2010; 26(2):323-36. [acesso 11 abr 2019]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v26n2/ 11.pdf.

Machado CV, Salvador FGF, Oliveira GOD. Serviço de Atendimento Móvel de Urgência: análise da política brasileira. Rev Saúde Pública 2011; 45(3):519-28. [acesso 10 abr 2019]. Disponível em: https://scielosp.org/ pdf/rsp/v45n3/2335.pdf.

Carrero I, Veleda CN, Moreschi C. Características da equipe de atendimento pré-hospitalar no interior do Rio Grande do Sul. REME – Rev Min Enferm 2015; 19(1):95-100. [acesso 11 abr 2019]. Disponível em: http://www.reme.org. br/artigo/detalhes/988.

Cunha L. A importância e os desafios da implantação dos núcleos de educação no atendimento pré-hospitalar em todo o país. Rev Emerg 2016; ed. 4. [acesso 11 abr 2019]. Disponível em: http://www.revistaemergencia. com.br/noticias/leia_na_edicao_do_mes/a_importancia_e_os_desafios_da_implantacao_dos_nucleos_de_educacao_no_atendimento_pre-hospitalar_em_todo_o_pais/AnjgJ9jg/11258.

Ciconet RM, Marques GQ, Lima MADS. Educação em serviço para profissionais de saúde do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU): relato da experiência de Porto Alegre-RS. Rev Interface 2008; 12(26):659-66. [acesso 11 abr 2019]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/icse/v12n26/a16.pdf.

Oliveira GOD, Mattos RA. Cuidado integral e atenção às urgências: o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência do Rio de Janeiro. Rev Saúde Soc 2013; 22(1):199-210. [acesso 11 abr 2019]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v22n1/18.pdf.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 2.048, de 5 de novembro de 2002, aprova o Regulamento Técnico dos Sistemas Estaduais de Urgência e Emergência. [acesso 20 abr 2019]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/ bvs/saudelegis/gm/2002/prt2048_05_11_2002.html.

Sousa WR. 2015. A formação acadêmica na graduação em enfermagem e o atendimento pré-hospitalar. Dissertação (Educação). 122 p. Cuiabá: Universidade Federal de Mato Grosso.

Conselho Federal de Enfermagem (BR). Resolução nº 375/2011, dispõe sobre a presença do Enfermeiro no Atendimento Pré-Hospitalar e Inter-Hospitalar, em situações de risco conhecido ou desconhecido. Brasília, 22 mar. 2011. [acesso 20 abr 2019]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-n-3752011_65 00.html.

Conselho Federal de Enfermagem (BR). Resolução COFEN nº 358/2009, dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de Enfermagem, e dá outras providências. Brasília: COFEN, 15 out. 2009. [acesso 20 abr 2019]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-3582009_ 4384.html.

Caritá EC, Nini RA, Melo AS. Sistemas de auxílio aos diagnósticos de enfermagem para vítimas de trauma no atendimento avançado pré-hospitalar móvel utilizando as Taxonomias NANDA e NIC. J Health Inform 2010; 2(4):87-94. [acesso 20 abr 2019]. Disponível em: http://www.jhi-sbis.saude.ws/ojs-jhi/index.php/jhi-sbis/ article/view/108/36.

Dantas RAN, Torres GV, Salvetti MG, Dantas DV, Mendonça AEO. Instrumento para avaliação da qualidade da assistência pré-hospitalar móvel de urgência: validação de conteúdo. Rev Esc Enferm USP 2015; 49(3):381-387 [acesso 21 abr 2019]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v49n3/pt_00 80-6234-reeusp-49-03-0381.pdf.

Silveira SC, Taneda M. Análise do preenchimento das fichas de atendimento sistematizado do SAMU-192 realizados pela equipe de enfermagem de Juína/MT. SAJES - Rev Saúde AJES 2015; 1(1):1-18. [acesso 21 abr 2019]. Disponível em: http://www.revista.ajes.edu.br/index.php/SAJES/article/view/32/pdf.

Dias JMC, Lima MSM, Dantas RAN, Costa IKF, Leite JEL, Dantas DV. Perfil de atendimento do serviço pré-hospitalar móvel de urgência estadual. Cogitare Enferm 2016; 2(1):1-9. [acesso 21 abr 2019]. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/42470/27511.

Pasquini P. SAMU aposta em educação e tecnologia para qualificar atendimento. Prefeitura da Cidade de São Paulo, 8 jun. 2015. [acesso 21 abr 2019]. Disponível em: http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secreta rias/saude/noticias/?p=197102.

Secretaria de Estado da Saúde (DF). Samu oferecerá treinamento em emergência pré-hospitalar à população. Brasília, SES/DF, 6 out. 2017. [acesso 21 abr 2019]. Disponível em: http://www.saude.df.gov.br/samu-oferecera-treinamento-em-emer gencia-pre-hospitalar-a-populacao/.

Amor Divino E, Pereira QLC, Siqueira HCH. A capacitação da equipe que atua no atendimento pré-hospitalar móvel: necessidade e importância da educação permanente na perspectiva dos trabalhadores. REME - Rev Min Enferm 2009; 13():365-371. [acesso em 21 abr 2019]. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/ detalhes/201.

Machado CV, Salvador FGF, Oliveira GOD. Serviço de Atendimento Móvel de Urgência: análise da política brasileira. Rev Saúde Pública 2011; 45(3):519-528. [acesso 22 abr 2019]. Disponível em: https://scielosp. org/pdf/rsp/v45n3/2335.pdf.

Santos MS, Coimbra VCC, Ribeiro JP. O atendimento de urgência psiquiátrica realizado pelo enfermeiro do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Rev Enferm UFPE 2011; 5(9):2197-2205. [acesso 22 abr 2019]. Disponível em: http://www.periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/download/7001/6250.

Costa IKF, Farias GM, Gurgel AKC, Rocha KMM, Freitas MCS, Souza AAM. Conhecimento da equipe de enfermagem de um serviço de atendimento móvel sobre Precaução Padrão. Cogitare Enferm 2012; 17(1):85-90. [acesso 22 abr 2019]. Disponível em: http://www.revistas.ufpr.br/cogitare/article/download/ 26379/17572.

França SPS, De Martino MMF, Aniceto EVS, Silva LL. Preditores da Síndrome de Burnout em enfermeiros de serviços de urgência pré-hospitalar. Rev Acta Paul Enferm 2012; 25(1):68-73. [acesso 22 abr 2019]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v25n1/v25n1a12.pdf.

Cavagioni LC. 2010. Influência do plantão de 24 horas sobre a pressão arterial e o perfil de risco cardiovascular em profissionais da área de saúde que atuam em serviços de atendimento pré-hospitalar. Tese (Enfermagem na Saúde do Adulto). 253 p. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Mendes SS, Ferreira LRC, De Martino MMF. Identificação dos níveis de stress em equipe de atendimento pré-hospitalar móvel. Rev Est Psicol 2011; 28(2):199-208. [acesso 22 abr 2019]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/estpsi/v28n2/07. pdf.

Martins CCF, Pontes AGV, Vieira AN, Santos VEP. Desgaste no serviço de atendimento pré-hospitalar móvel: percepção dos enfermeiros. Rev Enferm UFSM 2012; 2(2):282-289. [acesso 23 abr 2019]. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/4687/3752.

Maia EC, Miranda MDC, Caetano JA, Carvalho, ZMF, Santos MCL, Caldini LN. Avaliação do nível de estresse de equipe de enfermagem de Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Rev Pesq Cuid Fundam 2012; 4(4):3060-3068. [acesso 23 abr 2019]. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidado fundamental/article/view/1885/pdf_664.

Soerensen AA, Moriya TM, Hayashida M, Robazzi MLCC. Acidentes com material biológico em profissionais do atendimento pré-hospitalar móvel. Rev Enferm UERJ 2009; 17(2):234-239. [acesso 23 abr 2019]. Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v17n2/v17n2a17.pdf.

Mesquita KL, Gomes GPLA, Silva MJBF, Santos LF. A visão do enfermeiro gestor sobre a necessidade de implementar apoio psicológico aos profissionais do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Rev Enferm Cent Oeste Min 2014; 4(1):1019-1028. [acesso 24 abr 2019]. Disponível em: http://www.seer.ufsj. edu.br/index.php/recom/article/view/453/576.

Carrero I, Veleda CN, Moreschi C. Características da equipe de atendimento pré-hospitalar no interior do Rio Grande do Sul. REME – Rev Min Enferm 2015; 19(1):95-100. [acesso 24 abr 2019]. Disponível em: http://www.reme.org. br/artigo/detalhes/988.

Ortiga AMB, Lacerda JT, Natal S, Calvo MCM. Avaliação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência em Santa Catarina, Brasil. Cad Saúde Pública 2016; 32(12). [acesso 24 abr 2019]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v32n12/1678-4464-csp-32-12-e00176714.pdf.

Santos MC, Bernardes A, Gabriel CS, Évora YDM, Fernanda Rocha LR. O processo comunicativo no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU-192). Rev Gaúcha Enferm 2012; 33(1):69-76. [acesso 24 abr 2019]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v33n1/a10v33n1.pdf.

Rocha TB. 2013. Vivências do enfermeiro no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência: detalhes de um grande desafio. Dissertação (Saúde e Enfermagem). 91 p. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.

Lima JC, Rivera FJU, Artmann E. Análise do discurso argumentativo na coordenação de um Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Rev Interface 2016; 20(56). [acesso 25 abr 2019]; Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/icse/v20n56/1807-5762-icse-1807-576220141367.pdf.

Santana C.J, Silva M, Oliveira F, Coimbra JAH, Marcon SS, Oliveira MLF. Interação de um serviço de atendimento móvel de urgência com as famílias. J Health Scienc 2016; 18(4):235-239. [acesso 25 abr 2019]. Disponível em: http://www.pgsskroton.com.br/seer/index.php/JHealthSci/article/view/3497/3440.

Abreu KP, Pelegrini AHW, Marques GQ, Lima MADS. Percepções de urgência para usuários e motivos de utilização do Serviço de Atendimento Pré-Hospitalar móvel. Rev Gaúcha Enferm 2012; 33():146-152. [acesso 25 abr 2019]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v33n2/21.pdf.

Publicado
2019-08-18
Como Citar
1.
Almeida1RB de, Álvares A da CM. Assistência de enfermagem no serviço móvel de urgência (SAMU): revisão de literatura. Rev Inic Cient Ext [Internet]. 18º de agosto de 2019 [citado 15º de dezembro de 2019];2(4):196-07. Disponível em: https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/256