As dificuldades encontradas pelos pacientes com insuficiência renal crônico ao iniciar o tratamento

  • Adelia Alves Ferreira Galvão
  • Erci Gaspar da Silva
  • Walquiria Lene dos Santos
Palavras-chave: Insuficiência renal crônica, Tratamento de diálise, Qualidade de vida

Resumo

Analisou-se o cotidiano dos pacientes com insuficiência renal crônico ao iniciar o tratamento. O tema se justifica na necessidade de conhecer as dificuldades dos pacientes com insuficiência renal crônica que faz tratamento em uma Clínica Renal em Brasília, buscando estratégias para melhoria de qualidade de vida, que será composta por 25 pacientes com insuficiência renal crônica que esteja submetida ao tratamento. A pesquisa foi realizada através de um estudo de campo descritivo analítico com abordagem quantitativa. As maiores dificuldades dos pacientes entrevistados na clínica de hemodiálise ao iniciar o tratamento foi com 50% tem muita dificuldade profissional, 22% perde o interesse sexual, 7% dificuldade em aceitar a alteração corporal e 22% na adaptação em seus hábitos alimentares. Diante das dificuldades desencadeadas pelo tratamento, muitos pacientes desenvolvem uma nova rotina em seus projetos e lazeres buscando habilidades para construir estímulo e motivação em continuar o tratamento.

Referências

Rocha H. A nefrologia no Brasil: alguns aspectos de sua evolução histórica. J Bras Nefrol 1993; 15(4):107-5.

Romão Júnior JE. Insuficiência renal crônica. In: Cruz J,Praxedes JN, Cruz HMM. Nefrologia. São Paulo: Savier;1994. p. 187-200.

Almeida, A. M., & Meleiro, A. M. A. S. (2000). Revisão: depressão e insuficiência renal crônica. Jornal Brasileiro de Nefrologia, 22, 21-29.

Periz, L. A., & Sanmartin, E. F. (1998). Living with chronic renal insufficiency. Revista de Enfermeria, 21, 105-110.

Tamburini M. Qualidade de vida em pacientes com doenças crônicas: estado da arte e perspectivas. [serial online]. 2000 03 de março. Disponível em: URL: http://www.qlmed.org/ Psico / lifequal.htm.

Venzon Thomas, C, Alchieri, JC. Qualidade de vida, depressão e características de personalidade em pacientes submetidos à Hemodiálise. Avaliação Psicológica [Internet]. 2005;4(1):57-64. Recuperado de: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=335027178007

Lara EA, Sarquis LMM. O paciente renal crônico e sua relação com o trabalho. Cogitare Enferm. 2004; 9 (2):99-106

Ramos, I. C., Queiroz, M. V. O., Jorge, M. S. B. (2008). Cuidado em situação de doença renal crônica: representações sociais elaboradas por adolescentes. Revista Brasileira de Enfermagem, 61(2), 193-200.

Silveira RS, Lunardi VL, Lunardi WD, Oliveira AMN. Uma tentativa de humanizar a relação da equipe de enfermagem com a família de pacientes internados na UTI. Texto Contexto Enferm 2005;14 (esp):125-30.

Barbosa, J.C. Compreendendo o ser doente renal crônico. Ribeiro Preto, 1993. 144p. Dissertação (Mestrado) - Escola de Enfermagem de Ribeiro Preto, Universidade de São Paulo.

Phillips, H. et al. O papel da enfermeira como professor: um papel de posicionamento. Nephrol.Nos v. 5, p. 42-6, 1983.

Maseo IK, Silva OM, Mariga TI. Percepção do cliente insuficiente renal crônico em relação ao momento da hemodiálise. RECENF Rev Tecno-Cient Enferm. 2003;1(6):414-20

Riella MC. Princípios de nefrologia e distúrbios hidroeletrolíticos.4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2003.

Galera-Fernandez A, Martínez-de Merlo MT, Ochando-García A. Acessos vasculares para hemodiálisis: cuidados de enfermería. Angiologia. 200; 57(2):159-68.

National Kidney Foundation-Dialysis Outcomes Quality Initiative. Clinical practice guidelines for vascular access. New York: 2006. [citado 2007 jan 25]. Disponível em: http://www.kidney.org/PROFESSIONALS/kdoqi/guideline_upHD_PD_VA/va_intro.htm.

Guyton AC, Hall JE. Micção, diuréticos e doenças renais. In: _____. Tratado de fi siologia médica. 11ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2006. unidade 5, p. 344-57.

Moreno V. Familiares de pacientes em hemodiálise: convivendo com condição crônica de saúde. Rev Rene 2008; 9(4):49-56.

National Kidney Foundation Guidelines. Am J Kidney Dis 2004;43(Suppl 1):S1-S290.

Unruh MI, Hartunian MG, Chapman NM, Jaber BI. Sleep quality and clinical correlates in patients on maintean dialysis. Clin Nephrol 2003; 59(4): 280-8.

Devine O. The impact of ignoring measurement error when estimating sample size for epidemiologic studies. Eval Health Prof. 2003 April; 26(3):315-39.

Simonetti, A. (2004). Manual de Psicologia Hospitalar: o mapa da doença. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Cesarino, C. B. & Casagrande, L. D. R. (1998). Paciente com insuficiência renal crônica em tratamento hemodialítico: atividade educativa do enfermeiro. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 6, 4, 31-40.

Barbosa, R G B; LIMA, N K C. Índices de adesão ao tratamento anti-hipertensivo no Brasil e mundo. Revista Brasileira de Hipertensão v.13,n.1, 2006. p.35-38.

Lima, A. F. C. & Gualda, D. M. R. (2000). Reflexões sobre a qualidade de vida do cliente renal crônico submetido à hemodiálise. Revista Nursing, 3(30), 20-23.

Ramos, I. C., Queiroz, M. V. O., & Jorge, M. S. B. (2008). Cuidado em situação de doença renal crônica: representações sociais elaboradas por adolescentes. Revista Brasileira de Enfermagem, 61(2), 193-200.

Castro MCM. Tratamento conservador de paciente com doença renal crônica que renuncia à diálise. Braz. J. Nephrol. 2019;41(1):95-102

Thomas, C. V. & Alchieri, J. C. (2005). Qualidade de vida, depressão e características de personalidade em pacientes submetidos à hemodiálise. Avaliação Psicológica, 4(1), 57-61.

Santos, Id, Faria Rocha, RdP, Miguéis Berardinelli, LM. Necessidades de orientação de enfermagem para o autocuidado de clientes em terapia de hemodiálise. Revista Brasileira de Enfermagem [Internet]. 2011;64(2):335-342. Recuperado de: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=267019461018

Nascimento CD, Marques IR. Intervenções de enfermagem nas complicações mais frequentes durante a sessão de hemodiálise: revisão de literatura. Rev Bras Enferm 2005; 58(6): 719-22.

Demo P. Educação e qualidade. 2ª ed. São Paulo: Papirus; 1996.

Romano BW. Qualidade de vida: teoria e prática. Rev Soc Cardiol 1993; 3(6):6-9.

Stelmachuk, M. S. L. (2005). Sentidos do trabalho para idosos em exercício profissional remunerado. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina,Florianópolis.

Mendes CA, Shiratori K. A percepção dos pacientes de transplante Renal. Nursing 2002 Jan:15-22.

Hospital Albert Einstein (Brasil). Centro de diálise. Tratamentos. Diálise Peritoneal. Hemodiálise.São Paulo, 2012. Disponível em: <http://www.einstein.br/Hospital/centro-de-dialise/Paginas/centrode-dialise.aspx>. Acesso em 10 out. 2012.

Pereira, L. P. & Guedes, M. V. C. (2009). Hemodiálise: a percepção do portador renal crônico. Cogitare Enfermagem, 14(4), 689-95.

Barbosa, J. C.; Aguillar, O. M.; Boemer, M. R. O significado da insuficiência renal Crônica. Revista Brasileira de Enfermagem. Brasília, DF, v. 52, n. 2, p.293-302, 1999

Boog, M.C.F. Educação nutricional: passado, presente e futuro. Revista de Nutrição, v. 10, n. 1, p. 5-19, 1997.

Daugirdas, J. T. Manual de diálise. 2. ed. Rio de Janeiro: Medsi, 1996

Campos CJG, Turato ER. O tratamento de hemodiálise sob a ótica do doente renal: vivências e significados. In: Anais do 56º Congresso Brasileiro de Enfermagem; 2004 Out 24-29; Gramado: ABEn-Nacional; 2005 [citado 2008 Abr 25]. Disponível em: http://bstorm.com.br/enfermagem

Brunner, L. S.; Suddarth, D. S. Tratado de enfermagem médico: cirúrgica. 8. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogam, 1998.

Barbosa, J. C.; Aguillar, O. M.; Boemer, M. R. O significado da insuficiência renal Crônica. Revista Brasileira de Enfermagem. Brasília, DF, v. 52, n. 2, p. 293-302, 1999

Lima, A. F. C.; Gualda, D. M. R. Reflexões sobre a qualidade de vida do cliente renal crônico submetido a hemodiálise. Revista Nursing, São Paulo, n. 30, p. 20-23, 2000.

Baggio MA. O significado de cuidado para profissionais da equipe de enfermagem. Rev Eletrônica Enferm. 2006;8(1):9-16.

RudnickI, T. Preditores de qualidade de vida em pacientes renais crônicos. Estudo de Psicologia Campinas. v. 24, n.3, p.343-351, 2007

Madeiro, A. C. et al. Adesão de portadores de insuficiência renal crônica ao tratamento de hemodiálise.Acta Paulista de Enfermagem, v.23, p. 546-551, 2010.

Saes SC. Alterações comportamentais em renais crônicos. Nursing, São Paulo 1999 maio;2(12):17-9.

Publicado
2019-08-19
Como Citar
1.
Galvão AAF, Silva EG da, Santos WL dos. As dificuldades encontradas pelos pacientes com insuficiência renal crônico ao iniciar o tratamento. Rev Inic Cient Ext [Internet]. 19º de agosto de 2019 [citado 19º de novembro de 2019];2(4):180-9. Disponível em: https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/254

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

1 2 > >>