Alimentação saudável no ensino infantil: perspectiva da enfermagem

  • Jessika Martins Bastos
  • Aldenir Dias Moreno
  • Adriana Freire Camelo de Sousa
  • Ani Cátia Giotto
Palavras-chave: Alimentação saudável, Saúde infantil, Obesidade

Resumo

Ação desenvolvida por discentes de enfermagem de uma faculdade particular de Valparaíso de Goiás, realizando uma palestra sobre alimentação saudável para alunos de ensino infantil com o intuito de ensiná-los sobre a importância de se ter uma alimentação rica em nutrientes essenciais para o ser humano, assim combatendo algumas doenças e lembrando que a introdução de hábitos alimentares saudáveis deve ser feita de maneira gradual e persistente. Incentivou-se a alimentação saudável para alunos do 4° ano de uma escola em Valparaíso de Goiás, por meio de ações executadas por discentes de enfermagem. Utilizou-se a metodologia da problematização e diversas dinâmicas pedagógicas. O resultado foi considerado positivo para ambas as partes, onde os alunos adquiriram novos conhecimentos e puderam tirar as dúvidas. Quando se trata de crianças, a alimentação precisa ser ainda mais rigorosa, controlada e saudável.

Referências

Danelon MS, Fonseca MCP, Silva MV. Preferências alimentares no ambiente escolar. Rev. Seg. Alim. e Nutr. 2008;15(2):66-84.

Santos LADS. Educação alimentar e nutricional no contexto da promoção de práticas alimentares saudáveis. Rev Nutr. 2005;18(5):681-692.

Buss PM. Promoção da Saúde e qualidade de vida. Ciênc. saúde coletiva. 2000;5(1):163-177.

Sustentabilidade Ambiental no Brasil: biodiversidade, economia e bem-estar humano. Livro 7. Brasília, 2010. p.640.

Sulzbach EAG, Bosco SMD. Obesidade infantil - uma revisão bibliográfica. Rev. Dest. Acad. 2012;4(3):113-27.

Loureiro I. A importância da educação alimentar: o papel das escolas promotoras de saúde. Rev. Port. de Saúd. Públic. 2004;22(2):43-55.

Yokota et. al. Projeto" a escola promovendo hábitos alimentares saudáveis": comparação de duas estratégias de educação nutricional no Distrito Federal, Brasil. 2010; 23(1):37-47.

Rodrigues et al. Construindo conceitos sobre alimentação saudável com escolares da rede municipal de ensino. 2007;6(4):144-54.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: crescimento e desenvolvimento / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 272 p.: il. – (Cadernos de Atenção Básica, nº 33).

Abrantes MM, Lamounier JA, Colosimo EA. Prevalência de Sobrepeso e Obesidade nas Regiões Nordeste e Sudeste do Brasil. Rev Assoc Med Bras. 2003;49(2):162-66.

Sena MCF, Silva EF, Pereira, MG. Trends of breastfeeding in Brazil in the last quarter of the 20th century. Rev. Bras. de Epidem. 2007;10(4):499-505.

Cesar JA et al. Indicadores básicos de saúde infantil e em área urbana no extreme sul do Brasil: estimando prevalências e avaliando diferenciais. Jorn. de Pediat, Rio de Janeiro. 2006;82(6):437-44.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. I Diretriz de Prevenção da Asterosclerose na Infância e na Adolescência. Arquivos Brasileiros de Cardiologia [s.I.]. 2005; 85(Supl 6).

Gigante DP, Moura ECD, Sardinha LMV. (2009). Prevalência de excesso de peso e obesidade e fatores associados. Rev. de Saúd Públic. 2009;43(Supl 2);83-89.

Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento de Nutrologia. Obesidade na infância e adolescência: manual de orientação. São Paulo, 2008;2ª Edição Revisada e Ampliada

Daniels SR et al. Lipid screening and cardiovascular health in childhood. Pediatrics. 2008;122(1):198-208.

Armstrong J, Reilly JJ. Breastfeeding and lowering the risk of childhood obesity. The Lancet. 2002;359(9322):2003-2004.

Gartner LM et al. Breastfeeding and the use of human milk. Pediatrics, Evanston. 2005;115(2):496-506.

Spruijt-Metz D et al. Relation between mothers´ child-feeding practices and children´s adiposity. American Journal of Clinical Nutrition. 2002;75(3):581-586.

Johanssnen DL, Johanssnen NM, Specker BL. Influence of parents´ eating behaviors and child feeding practices on children´s weight status. Obesity, Silver Spring. 2006;14(3):431-439.

Golan M et al. Parents as the exclusive agents of change in the treatment of childhood obesity. American Journal of Clinical Nutrition, Bethesda. 1998;67(6):1130-135.

Garcia-Casal MN et al. Vitamin A and beta-carotene can improve nonheme iron absorption from rice, wheat and com by humans. J Nutr. 1998;128(3)646-50.

Mello ED, Luft, VC, Meyer F. Obesidade infantil: como podemos ser eficazes? J Pediatr. 2004;80(3)173-82.

Sigulem DM et al. Obesidade na Infância e na Adolescência. Compacta Nutrição. 2001;2(1):7-18.

Rinaldi AEM et al. Contribuições das práticas alimentares e inatividade física para o excesso de peso infantil. Rev. Paul Pediatr. 2008;26(3):271-77.

Balaban G, Silva GAP. Efeito protetor do aleitamento materno contra a obesidade infantil. J Pediatr. 2004;80(1):7-16.

Blundell JE, King NA. Physical activity and regulation of food intake: current evidence. Med Sci Sports Exerc. 1999;31(11):573-583.

Juzwiak CR, Paschoal VCP, Lopez FA. Nutrição e atividade física. J Pediatr. 2000;76(Supl 3):349-58.

Sociedade Brasileira de Pediatria. Atividade física na infância e na adolescência: Guia prático para o pediatra. Departamento Científico de Nutrologia. São Paulo: SBP; 2008.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Alimentação e Nutrição Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica.Básica. – 1. ed., 1. reimpr. – Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

Brasil. Decreto nº 7.272, de 25 de Agosto de 2010. Regulamenta a Lei nº 11.346, de 15 de setembro de 2006, que cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN com vistas a assegurar o direito humano à alimentação adequada, institui a Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - PNSAN, estabelece os parâmetros para a elaboração do Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, e dá outras providências. Diário Oficial da União, 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de alimentação e nutrição / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica – 2. ed. rev. – Brasília: Ministério da Saúde, 48 p. – (Série B. Textos Básicos de Saúde), 2008.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. – 3. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

Assis AMO, Santos SMC, Freitas MCS, Santos JM, Silva MCM. O Programa Saúde da Família: contribuições para uma reflexão sobre a inserção do nutricionista na equipe multidisciplinar. Rev. Nutr. 2002;15(3):273-82.

Publicado
2019-08-16
Como Citar
1.
Bastos JM, Moreno AD, Sousa AFC de, Giotto AC. Alimentação saudável no ensino infantil: perspectiva da enfermagem. Rev Inic Cient Ext [Internet]. 16º de agosto de 2019 [citado 15º de dezembro de 2019];2(3):125-30. Disponível em: https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/246

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##