Importância da análise de fluxo de curativo em pó para estomas

  • Juliana Souza Carnaúba
  • Jéssica Thalita Fernandes Alves da Silva
  • Ludmila Alvim Gomes Pinho Giacone
  • Lívia Cristina Lira de Sá-barreto
Palavras-chave: Estoma, Fluxo, Hidrocolóide

Resumo

A construção de estomas é uma técnica cirúrgica necessária para eliminação de fluidos de excreção de órgãos ocos quando impossibilitados de seu funcionamento normal. O cuidado da pele que circunda o estoma é realizado com curativos compostos por hidrocolóides encontrados no comércio em diferentes formas farmacêuticas: filmes de barreira, adesivos, pastas, cremes e pós. Os hidrocolóides apresentam excelente compatibilidade com a pele e membranas mucosas e cria ambiente com umidade ótima para formação de matriz extracelular e reepitelização. Entretanto, os curativos hidrocolóides apresentados na forma em pó podem apresentar características de fluxo que impactam não somente no processo de manufatura (manejo, mistura, envase e transporte) como também na utilização (dispersão no ambiente e inalação indevida), sendo a avaliação reológica ainda incipiente para esse tipo de produto. Avaliar as características de fluxo do curativo em pó (Brava® Coloplast) e do hidrocolóide, carboximetilcelulose sódica (CMC-Na, Synth), insumo constituinte de vários curativos disponíveis comercialmente para o cuidado de estomas. A análise dos produtos foi realizada no analisador de pós Hosokawa Powder Tester PT-X. A caracterização do índice de fluidez (flowability) foi obtida através da pontuação das aferições (triplicata) de ângulo de repouso, ângulo de espátula, compressibilidade e coesão. Enquanto que a determinação da capacidade de inundação ou capacidade de se espalhar (floodability) foi alcançada com o somatório dos pontos obtidos com as aferições (triplicata) de ângulo de queda, ângulo de diferença e dispersibilidade. Os produtos avaliados apresentaram classificação “pobre” para o parâmetro flowability (capacidade de fluir). Enquanto que o parâmetro floodability do curativo foi “inundável” e da CMC-Na foi “muito inundável”. O curativo em pó (Brava® Coloplast) e o hidrocolóide (CMC-Na, Synth) apresentaram dificuldade em fluir e facilidade em se espalhar. Os resultados evidenciam a necessidade de melhoramento tecnológico, visando a redução de dificuldades envolvidas no processo industrial de obtenção e maior comodidade e facilidade de aplicação do curativo, com escoamento direcionado do envase à ferida, com mínima dispersão no ambiente e sem provocar possível inalação pelo paciente e/ou profissionais de saúde envolvidos no tratamento. Em adição, o estudo indicou que as características de fluxo da CMC-Na podem contribuir negativamente na classificação de fluxo do curativo em pó que contenha esse insumo em sua composição, caso o processo produtivo esteja isento de tecnologia que impacte na reologia do produto final. Evidenciando, uma vez mais a necessidade de melhoramento dos produtos

Publicado
2019-06-10
Como Citar
1.
Carnaúba JS, Silva JTFA da, Giacone LAGP, Sá-barreto LCL de. Importância da análise de fluxo de curativo em pó para estomas. Rev Inic Cient Ext [Internet]. 10º de junho de 2019 [citado 20º de setembro de 2019];2(Esp.1):28. Disponível em: https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/200