O papel do farmacêutico no uso racional de antimicrobianos e controle de resistências bacterianas

  • Daniely Martins da Silva
  • Karoline de Britto Rocildes Abreu
  • Nathalia Lobão Barroso de Souza da Silveira
  • Nathasha Stella Reis
Palavras-chave: Antimicrobianos, Farmacêutico, Farmácia clínica

Resumo

A resistência bacteriana aos antibióticos é um atual problema de saúde pública. Grande parte

das infecções hospitalares são causadas por bactérias que já não respondem mais a

determinados antibióticos por conta da emergência de mecanismos de resistência. O uso

inadequado desses medicamentos induz à seleção natural de bactérias resistentes. A taxa de

mortalidade pelas principais doenças infecciosas chega a 11 milhões de pessoas por ano. Com

isso, é imprescindível o uso racional de antimicrobianos, pois podemos retornar à era préantibiótico

e colocar em perigo milhares de vidas devido ao uso inadequado. O farmacêutico

clínico está intimamente ligado ao uso racional dos antimicrobianos. Dentre os seus papéis está

em aconselhar antibioticoterapia, ajudando na escolha do antimicrobiano correto, sugerir

alterações de posologia, orientar a preparação como a administração desses medicamentos,

acompanhar o tempo de tratamento, além de educar profissionais de saúde e o paciente quanto

ao uso racional de antimicrobianos. Este trabalho tem como objetivo demonstrar, por meio dos

indicadores do serviço de farmácia clínica de um hospital terciário, intervenções relacionadas ao

gerenciamento do uso de antimicrobianos. Trata-se de um estudo descritivo retrospectivo, em

que foram analisadas as intervenções realizadas no período de janeiro de 2017 a dezembro de

2018, relacionadas ao gerenciamento do uso de antimicrobianos. No ano de 2017 a taxa de

cobertura de leitos acompanhados pela Farmácia Clínica foi de 22% (média de 155 pacientes

por mês) e 25% (650) das intervenções farmacêuticas foram relacionadas a antimicrobianos. Já

no ano de 2018 a taxa de cobertura foi de 18,2% (média de 111 pacientes por mês) e 24% (936)

das intervenções foram relacionadas ao uso dos antimicrobianos, demonstrando um aumento de

144% nesse tipo de intervenções, mesmo com uma diminuição na taxa de cobertura. As

principais intervenções nesse período foram relacionadas à suspensão de antimicrobiano

(36,5%) e ajuste de posologia (27%). 18,8% dos antimicrobianos foram suspensos por tempo de

tratamento, 13,9% devido à profilaxia cirúrgica e 3,8% por não haver indicação. E quanto à

posologia 14,2% os antimicrobianos estavam em subdose e 12,8% em sobredose. Houve

também intervenções relacionadas à inclusão de antimicrobiano, sugestão de alteração de

terapia, orientação de administração, sinalização de incompatibilidade medicamentosa, alergia

medicamentosa, sinalização de interação medicamentosa e switch de forma farmacêutica

endovenosa para via oral. O farmacêutico clínico é responsável pelo uso racional de

antimicrobianos e por consequência, controle de resistência bacteriana aos antimicrobianos. No

nosso serviço o farmacêutico clínico realizou intervenções principalmente quanto ao tempo de

tratamento e posologia de antimicrobianos.

Publicado
2019-06-10
Como Citar
1.
Silva DM da, Abreu K de BR, Silveira NLB de S da, Reis NS. O papel do farmacêutico no uso racional de antimicrobianos e controle de resistências bacterianas. Rev Inic Cient Ext [Internet]. 10º de junho de 2019 [citado 15º de outubro de 2019];2(Esp.1):12. Disponível em: https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/179