Assistência de enfermagem no transplante de córnea

  • Erismar Santos Nogueira
  • Erci Gaspar da Silva
  • Walquíria Lene dos Santos
Palavras-chave: Transplante, Córnea, Enfermagem, Capacitação

Resumo

A ocorrência de patologias, lesões, queimaduras e outros acometimentos podem ocasionar o comprometimento da visão, com possibilidade de cegueira e resultar na necessidade de transplante do tecido corneano, onde é inegável a contribuição do enfermeiro para o sucesso do transplante, haja vista que ele participa de todo o processo de doação das córneas, desde a entrevista familiar à conservação do tecido captado. Tendo a enfermagem papel fundamental no cuidado ao cliente, o presente estudo tem como objetivo destacar a importância da assistência de enfermagem no transplante de córnea e apresentar alternativas para aprimorar a qualidade assistencial. Trata-se de uma revisão integrativa, a qual possibilita a síntese de vários estudos já publicados, permitindo a geração de novos conhecimentos pautados nos resultados apresentados pelas pesquisas anteriores. A coleta de dados foi realizada no período de agosto a outubro de 2018 nas bases de dados da SCIELO, BDENF e LILACS. Selecionou-se 14 artigos de acordo com os critérios de inclusão, onde os mesmos foram agrupados em um quadro e categorizados em dois tópicos. O processo de transplante de córnea requer conhecimento, dedicação e cuidados indispensáveis para que os riscos de rejeição sejam minimizados. E é o cuidado prestado pelo enfermeiro experiente e qualificado que fará do transplante um processo seguro e de rápida recuperação para o cliente.

Referências

Souza ALC, Cerqueira CN, Nogueira EC. Contribuição do enfermeiro para possível redução de rejeição ao transplante de córnea. Acta Paul Enferm. 2011; 24(2): 239-43.

Silva MF, Gomes ATL, Freire ILS, Dantas BAS, Torres GV. Características sociodemográfica e epidemiológica dos doadores de córnea do banco de tecidos oculares do Rio Grande do Norte. Rev Bras Pesq Saúde. 2014; v(13): 32-37.

Marcomini LAG, Sobral RMGR, Seixas GO, Sousa SJF. Seleção de córneas para transplante. Rev Bras Oftalmol. 2011; v (70): 6.

Zeschau A, Balestrin IG, Stock RA, Bonamigo EL. Indicações de ceratoplastia: estudo retrospectivo em um hospital universitário. Rev Bras Oftalmol. 2013; 72 (5): 316-20.

Neves RC, Boteon JE, Santiago APMS. Indicações de transplante de córnea no Hospital São Geraldo da Universidade Federal de Minas Gerais. Rev Bras Oftalmol. 2010; 69 (2): 84-8.

Silva RE, Morato RM, Veneziano RTS, Rodrigues FW. Perfil epidemiológico dos doadores de córnea do Estado de Goiás. Rev Bras Oftalmol. 2016; 75(4): 274-78.

Mendes KDS, Roza BA, Barbosa SFF, Schirmer J, Galvão CM. Transplante de órgãos e tecidos: responsabilidades do enfermeiro. Texto Contexto Enferm. 2012; 21(4): 945-53.

Cicolo EA, Roza BdeA, Schimer J. Doação e transplante de órgãos: produção científica da enfermagem brasileira. Rev Bras Enferm. 2010; 63(2): 274-8.

Moreira WC, Barbosa TMA, Ribeiro WRA, Damasceno CKCS, Alencar DC, Vieira SKSF. Assistência de enfermagem no processo de doação de órgãos e transplantes. Rev Pre Infec e Saúde. 2016; 2(1-2): 32-42.

Botelho LLR, Cunha CCA, Macedo M. O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Rev Elet Gest Socied. 2011; 5(11): 121-136.

Kara-Junior N, Mourad PCA, Espíndola RF, AbilRuss HH. Expectativas e conhecimento entre pacientes com indicação de transplante de córnea. Rev Bras Oftalmol. 2011; 70(4): 230-234.

Souza ATS, Freire VS, Silva AJS, Medeiros MCA, Vasconcelos FM, Ponte MAV. A atuação do enfermeiro no processo de doação de órgãos: uma revisão integrativa. Rev Interdisciplinar. 2014; 7(3): 138-148.

Araújo C, Santos JAV, Rodrigues RAP, Júnior LRG. O papel do profissional de enfermagem na doação de órgãos. Rev saud em foco. 2017; 9: 533-50.

Brasil. Conselho Federal de Enfermagem. Resolução COFEN n. 292, de 07 de junho de 2004. Normatiza a atuação do enfermeiro na capitação e transplante de órgãos e tecidos.

Cruz GKP, Azevedo IC, Carvalho DPSRP, Vitor AF, Santos VEP, Júnior MAF. Aspectos clínicos e epidemiológicos dos pacientes transplantados com córneas em um serviço de referência. Rev Latino-Am Enferm. 2017; 25(e): 2897.

Almeida HG, Souza ACD. Perfil epidemiológico de pacientes na fila de transplante de córnea no estado de Pernambuco-Brasil. Rev Bras Oftalmol. 2014; 73(1): 28-32.

Oliveira FMCSN, Ferreira EC, Rufino NA, Santos MMS. Educação permanente e qualidade da assistência à saúde: aprendizagem significativa no trabalho da enfermagem. Aquichan. 2011; 11(1): 48-65.

Kurcgant P, Ferreira JCOA. Capacitação profissional do enfermeiro de um complexo hospitalar de ensino na visão de seus gestores. Acta Paul Enferm. 2009; 22(1): 31-6.

Cestari VRF, Ferreira MA, Garces TS, Moreira TMM, Pessoa VLMP, Barbosa IV. Aplicabilidade de inovações e tecnologias assistenciais para a segurança do paciente: Revisão integrativa. Cogitare Enferm. 2017; 22(3): e45480.

Silva KL, Sena RR, Silveira MR, Tavares TS, Silva PM. Desafios da formação do enfermeiro no contexto da expansão do ensino superior. Esc Anna Nery (imp). 2012; 16(2): 380-387.

Oliveira EB, Carvalho RAC, Teixeira E, Zeitoune RCG, Sabóia VM, Gallasch CH. Fatores intervenientes na formação de enfermeiros residentes: visão de egressos de um programa de residência. Rev Min Enferm. 2017; 21: e-1064.

Moraes EL, Santos MJ, Merighi MAB, Massarollo MCKB. Vivência de enfermeiros no processo de doação de órgãos e tecidos para transplante. Rev Latino-Am Enferm. 2014; 22(2): 226-

Publicado
2019-02-27
Como Citar
1.
Nogueira ES, Silva EG da, Santos WL dos. Assistência de enfermagem no transplante de córnea. Rev Inic Cient Ext [Internet]. 27º de fevereiro de 2019 [citado 16º de dezembro de 2019];2(2):89-5. Disponível em: https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/151

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

1 2 > >>