Verificação de viabilidade em amostra de kombucha

Autores

  • Natália da Silva Lima
  • Natália Ferreira Sousa Silva
  • Breno Silva de Abreu
  • Karina Ribeiro Modesto

Palavras-chave:

Kombucha;, Probiótico, Saúde, Fermentação

Resumo

A organização Mundial de Saúde - OMS atesta que grande parte da população dos países em desenvolvimento necessita da medicina tradicional para sua atenção primária ainda que a medicina moderna esteja bem-sucedida na maior parte do mundo. Cerca de 80% desta população utiliza práticas tradicionais nos seus cuidados básicos de saúde e 85% destes utilizam plantas ou preparações destas. Tendo isso em vista, o presente trabalho busca esclarecer aspectos relacionados a dinâmica da fermentação do Kombucha, uma bebida tradicional do oriente que vem tomando espaço no mercado atual por possuir potencial terapêutico, atuando como reestabilizado da microbiota intestinal. Para tal, foi utilizado um consórcio de microrganismos em um sistema simbiótico (fungos e bactérias), mantida em mosto composto por de chá verde e chá mate, acrescentadas de açúcar mascavo e inoculado com uma amostra de Kombucha.  Diante dos resultados e características relevantes encontradas na Kombucha, em especial na dinâmica de consumo do mosto, o presente trabalho busca avaliar a atividade microbiológica em termos cinéticos tomando como base a redução da concentração de acúcares dissolvidos por acompanhamento dos valores de refração (Brix) e realizar um levantamento de seus benefícios potenciais.

  

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. Política e Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2016. 190 p.

CHEN, C.; LIU, B. Y. Changes in major components of tea fungus metabolites during prolonged fermentation. Journal of Applied Microbiology, England, v. 89, n. 5, p. 834-839, 2000.

BROOME T. 2015. Kombucha: The Tea of Immortality em Fifth Season Gardening. Disponível em:<http://fifthseasongardening.com/kombucha-the-tea-of-immortality>. Acesso em: 13/09/2018.

SANTOS, Mafalda Jorge dos. Kombucha: caracterização da microbiota e desenvolvimento de novos produtos alimentares para uso em restauração. 2016. 119 f. Dissertação- Instituto Superior de Agronomia, Universidade Nova de Lisboa, Portugal.

JAYABALAN R., MALBAŠA R.V., LONČAR E.S., VITAS J.S., SATHISHKUMAR M. 2014. A Review on Kombucha Tea – Microbiology, Composition, Fermentation, Beneficial Effects, Toxicity, and Tea Fungus. Comprehensive Reviews in Food Science and Food Safety, 13(4): 538-50.

KALLEL L., DESSEAUX V., HAMDI M., STOCKER P., AJANDOUZ E.H. 2012. Insights into the fermentation biochemistry of Kombucha teas and potential impacts of Kombucha drinking on starch digestion. Food Research International, 49(1): 226-32.

SHENOY C. 2000. Hypoglycemic activity of bio-tea in mice. Disponível em:. Acesso em: 13/09/2018.

MAHMOUDI, E., SAEIDI, M., MARASHI, M., MOAFI, A., MAHMOODI, V., & ZEINOLABEDINI ZAMANI, M. In vitro activity of kombucha tea ethyl acetate fraction against Malassezia species isolated from seborrhoeic dermatitis. Current Medical Mycology, 2016. 2(4), 30–36. Disponível em: <http://doi.org/10. 18869/acadpub. cmm.2.4.30>. Acesso em: 17/09/2018.

MALBAŠA, R. V. et al. Influence of starter cultures on the antioxidant activity of kombucha beverage. Food chemistry, v. 127, n. 4, p. 1727-1731, 2011.

Publicado

2019-02-27

Como Citar

1.
Lima N da S, Silva NFS, Abreu BS de, Modesto KR. Verificação de viabilidade em amostra de kombucha. Rev Inic Cient Ext [Internet]. 27º de fevereiro de 2019 [citado 28º de maio de 2020];2(2):71-5. Disponível em: https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/149