O estado da arte das formas de gestão educacional

Resumo

 

Avaliou-se as formas de gestão educacional. Trata-se de uma revisão da literatura científica realizada em abril de 2017 na Biblioteca Virtual em Educação (BVE), Periódicos Capes e o Google Acadêmico por meio dos descritores: Organização e gestão escolar; Gestão democrático participativa. O estudo fora dividido em duas vertentes: 1 - fundamentação teórica sobre organização, gestão e administração; 2- compreendendo os conceitos de democracia, afim de facilitar o entendimento da temática transcorrida. A organização escolar que temos atualmente, se configura nos modelos de administração preconizada pelo capitalismo, com caráter conservador e burocrático, em que há a necessidade de um bom gestor, tarefeiro, cumpridor das normas administrativas e curriculares vindas dos órgãos superiores do ensino. Mas o que se espera do gestor educacional no contexto das relações conflitantes e contraditórias presentes na contemporaneidade, é que este reconheça-se dentro desse processo, como cidadão consciente e profissional, em que o exercício de sua função ocorra de maneira que levarão ao fortalecimento das escolas e ao desenvolvimento das potencialidades cognitivas e operativas dos alunos.

Descritores: Pedagogia; Organização e gestão escolar; Gestão democrático participativa.

Referências

-Costa LDS, Pessoni LML, Moraes-Filho IM, Santos CCT, Queiroz HA, Araujo LM. Importância e necessidade de formas de organização e gestão escolar. 2018; 7(3): 214-27.

- Santos TM. Noções de administração escolar. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1996.

- Paro VH. Administração escolar: Introdução crítica. 17. ed. São Paulo: Cortez; 2012.

- Libâneo JC. Organização e Gestão da Escola: teoria e prática. Goiânia: 6° ed. Ver. e ampl. São Paulo: Heccus; 2013.

- Chiavenato I. Recursos humanos na empresa. Sao Paulo; 1989.

- Lourenço Filho MB. Organização e Administração Escolar: Curso Básico, 8ª Ed. Brasília: INEP/MEC; 2007.

- Maximiano ACA. Teoria geral da Administração: da revolução urbana à revolução digital. 4.ed. São Paulo: Atlas; 2004. p.521.

- Queiroz HA, Alvarenga JBS, Moraes-Filho IM, Fidelis A, Araújo LM, Araújo LM. O reconhecimento da identidade racial na educação infantil. Rev. Cient. Sena Aires. 2018; 7(1): 66-75.

- Bresser-Pereira LC. "Reflexões sobre a reforma gerencial brasileira de 1995". Revista do Serviço Público. 1999; 50(4): 5-30.

- Fonseca M, Oliveira JF, Toshi MS. Escolas Gerenciadas: planos de desenvolvimento e projetos político- pedagógicos em debate. Goiânia: ed. da UCG; 2004.

- Hora LD. Gestão Democrática na Escola: Artes e ofícios de participação coletiva ∕Dinair Leal da Hora. Campinas, SP: Papirus;1994.

- Ribeiro JQ. Ensaio de uma teoria de administração escolar. São Paulo: Saraiva; 1978.

- Oliveira DPR. Planejamento estratégico: conceitos, metodologia e práticas. 22.ed. São Paulo; 2005.

-Mondin B. Introdução à Filosofia: problemas, sistemas, autores, obras. Tradução de J. Renard. São Paulo;1980.

- Bobbio N, Matteucci N, Pasquino G. Dicionário de política. trad. Carmen C, Varriale et al.; coord. trad. João Ferreira; rev. geral João Ferreira e Luís Guerreiro Pinto Cacais. Brasília: Editora Universidade de Brasília; 1998.

- Santos LP. As contradições da gestão escolar democrática. In: Movimentos sociais, direitos humanos e democracia. Rede Interinstitucional de Pesquisadores. Universidade Federal Fluminense. Niterói: RJ; 2013. p.57-67.

- Cruz JA, Pessoa JM. Animal de muitos donos: cultura política e gestão escolar. Educativa, Goiânia,. 2008; 11(2): 221-37.

- Mendonça EF. A Regra e o Jogo: Democracia e patrimonialismo na educação brasileira. Campinas: UNICAMP; 2000. p. 96

- Bastos JB. Gestão Democrática. Rio de Janeiro: DP& A: SEPE, 2000. p.7.

- Veiga IPA. Projeto Político Pedagógico: Uma Construção Possível. São Paulo;1995.

- Spósito MP. Educação, gestão democrática e participação popular. In: BASTOS, João B. (Org.) Gestão democrática, Rio de Janeiro, DP e A, SEPE; 1999.

-Gadotti M, Romão JE. Autonomia da escola: princípios e propostas. São Paulo; 1997.

- PATEMAN, C. Participação e Teoria Democrática. Rio de Janeiro; 1992.

- Nassuno M. Burocracia e Participação: a experiência do orçamento participativo em Porto Alegre. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília. Brasília; 2006.

- Moraes Filho IM, Carvalho-Filha FSS, Almeida RJ. O currículo no ensino superior: adequações necessárias para o despertar dos egressos. Rev. Cient. Sena Aires. 2017; 6(1):1-2.

Publicado
2018-09-14
Como Citar
1.
Costa LDS da, Pessoni LM de L, Santos CCT, Carvalho Filha FSS, Fernandes Érick L, Moraes Filho IM de. O estado da arte das formas de gestão educacional. Rev Inic Cient Ext [Internet]. 14º de setembro de 2018 [citado 12º de novembro de 2019];1(Esp 3):313-25. Disponível em: https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/103

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

1 2 > >>